Vozes no leste europeu

Por

É ano de olimpíada, mas o evento esportivo da vez é a Eurocopa, o campeonato europeu de seleções de futebol. O evento desse ano tem sede conjunta, na Ucrânia e Polônia. Muito bom, por que deveria ser um símbolo de unidade e integração (ainda mais nessa época de crise), mas o torneio está virando uma festa de protestos pra todos os lados, especialmente na Ucrânia. 

Não que na Polônia as coisas estejam melhores: denúncias de racismo e intolerância (imagine só, grupos neonazistas na Polônia, de todos os lugares…) contra atletas e torcedores dos visitantes. Mas a Ucrânia é medalha de ouro no quesito confusão, com pelo menos três motivos para os protestos. 

O primeiro caso (e provavelmente o mais grave pra Ucrânia em termos de repercussão) é o da ex-premiê Yulia Tymoschenko, que já mencionamos aqui. Ela está presa por corrupção e sofre de um grave problema de saúde, e a comunidade européia acusa o nada democrático governo ucraniano de perseguição. A própria Anistia Internacional diz que a prisão é injustificada, e o resultado é um boicote em massa de autoridades ao evento, incluindo pesos-pesados como Inglaterra e Alemanha. Se protestos internos não são boa coisa, quanto mais de fora. Claro que isso não vai render nenhum tipo mais grave de sanção. Mas é um golpe duríssimo para o governo de Viktor Yanukovich, que queria passar uma imagem de moderno e transparente, mas que é lentamente isolado pela truculência com que lida com antigos rivais. 

Mas não poderíamos esperar menos de um governo que chacinou animais de rua pra “limpar” o ambiente do torneio. Há denúncias de que desde novembro de 2011 mais de 60 mil cães e gatos de rua foram mortos nas principais cidades ucranianas, de modo brutal e sem controle, indignando autoridades de defesa dos animais. Sacrificar animais de modo organizado por razões de saúde pública é uma coisa, jogar cães sedados em fornos por causa da Eurocopa é outra, e isso rendeu protestos em vários países. 

Mas é claro que o mais famoso é o caso do grupo FEMEN, que surgiu na Ucrânia em 2008 justamente para protestar contra o governo corrupto e por mais direitos para as mulheres, e que hoje tem ativistas pelo mundo todo, inclusive no Brasil. Isso de um modo bastante chamativo, com lindas moças vestidas com uma grinalda de flores e pouca roupa. A bola da vez é protestar contra o turismo sexual e a exploração das mulheres que vem a reboque nesse tipo de torneio. Na outra semana tentaram roubar a taça do torneio, e estão planejando protestos para hoje, quando a Ucrânia estrear. São os protestos mais “descontraídos”, por assim dizer, mas certamente os que mais chamaram a atenção, e tocam em uma questão sensível, que com certeza é bem mais abrangente que os outros já que turismo sexual não é exclusividade de lá. 

O mais interessante disso tudo é ver como os protestos não são contra o evento em si, mas atitudes do governo, e até mesmo da própria sociedade, em decorrência da sua realização. Incompetência do governo, gastos desenfreados e corrupção, sociedade acomodada… Isso na Ucrânia, um país em crise, grande, e cheio de problemas. Será que podemos esperar algo parecido para 2014? Não custa sonhar.


Categorias: Europa, Polêmica, Política e Política Externa


1 comments
gundamaster
gundamaster

com um evento de futebol no brasil? espere sentado