Três é o novo dois

Por

Depois da malandragem imperial empregada pelo Huguinho, temos mais dois candidatos à eternidade presidencial!

Primeiro, um candidato com grandes possibilidades: Álvaro Uribe!

“Dois não, agora quero três!”

Homem de família, que teve um número bem considerável de denúncias de corrupção e ligação com milícias para-militares, tanto de esquerda quanto de direita. Se no Brasil o deputado pode até ser genocida que não é cassado, lá já foram mais de 30% dos senadores afastados ou cassados por causa dessas denúncias. A questão é tão grave que ele até mandou espionar diversas pessoas ligadas a ele. (comentários aqui) Com uma grande aceitação popular graças a suas ações empregadas contra as FARC, se ele fosse candidato ele seria o mais votado com grande vantagem. Tanto que já está bem encaminhada a mudança constitucional que irá possibilitar o segundo mandato (o congresso ser uribista é pura coincidência). Detalhe: se não der certo, o Ministro da Defesa, Juan Manuel Santos (que apoia Uribe) já está saindo do cargo para poder ser candidato à presidência, com grandes chances de vitória. Dessa forma, a continuidade da política Uribista está mais do que garantida.

Mais uma vez eu pergunto: qual é a diferença dele para o Chávez? Tudo bem que o Uribe tem uma aceitação popular tremenda, mas os indices sociais não aumentaram tanto quanto poderiam, e não restam dúvidas de que ele é querido por ser considerado o “guerreiro que derrotará as FARC”. Mas daí para querer governar um terceiro, quem sabe quarto, quinto mandato já é demais. Se o Ministro da Defesa não pode dar conta das políticas (já que se pudesse nem se conversaria sobre um terceiro mandato de Uribe), isso pode significar duas coisas:

1- A Colômbia tem um governo débil o bastante que não suportaria uma transição ou que é dependente de um perfil bem específico, algo péssimo para a continuidade do país. A curto prazo pode até não ser tão problemático, mas a longo prazo pode danificar seriamente a estrutura política Colombiana

2- O Uribe quer concorrer com o Chávez e Putin o prêmio de governo mais longo do século XXI. Ou o de o governo com maior manipulação da imprensa (não sei qual páreo é mais duro).

O segundo candidato é o nosso Lulinha, que fala Dilma pra cá, Dilma pra lá, mas não faz taaanta oposição quando alguém fala em terceiro mandato. Mas como aqui é a página INTERNACIONAL, vou deixar pra lá. Mas é importante lembrar que o Lula não tá sozinho.

Lembrando que ninguém tenta propor extender seu mandato sem ter certeza de um sucesso nas eleições. Afinal “se o povo quer eu estou aí!”

E vocês, o que acham da idéia de um terceiro mandato? Acham que não deve houver de maneira alguma ou o povo deve decidir?


Categorias: Américas, Brasil