Traíram o Traian?

Por

Postagem rápida sobre (mais) uma crise na Romênia. Já falamos deles aqui, quando derrubaram o premiê Emil Boc. Essa semana, foi a vez do presidente Traian Basescu sofrer impeachment, mas como a população simplesmente não compareceu em número suficiente para referendar a decisão, ele continua no cargo. 

Gol contra para o congresso e para o sucessor de Boc, Victor Ponta, aquele que ficou famoso pela acusação de plágio em seu doutorado. Isso por que a perseguição contra Basescu já é coisa antiga (já chegou a ser afastado do governo uma vez), acusado de se aproveitar do aparato estatal para se livrar de inimigos. É uma situação meio quixotesca essa da Romênia, em crise, sendo um dos países que, a duras penas, mais está se esforçando pra cortar gastos e cumprir metas de entrada na zona do Euro (será que compensa entrar…?) e acaba sendo acusado pela UE de anti-democrática, com o governo manipulando os poderes – como no caso do impeachment de Basescu. 

Aliás, já não vi em algum lugar essa história de congresso se unindo para derrubar o presidente com acusações no mínimo suspeitas? Será que o Paraguai está criando uma nova moda de golpe “branco”? É difícil averiguar, como observador externo, até que ponto as denúncias são críveis ou não, mas até o presidente da vizinha Hungria, de tão exageradas as acusações, pediu à comunidade de seu país na Romênia para que boicotassem o referendo do impeachment. 

Aproveitando a deixa, a coisa está feia na região. A Bulgária enfrenta problemas similares (o governo foi submetido a um voto de confiança – meio que uma avaliação popular que o congresso pode exigir em governos parlamentares, e pode derrubar o alto escalão caso não passe) e um racha na Sérvia (com um aliado do finado Milosevic no poder enquanto a bancada que derrubou o ditador domina a oposição). 

O que se vê são muitos países marcados pela divisão e confronto político que não parece se amparar em meios “legais” – e só lembrar como os países do leste europeu herdaram uma politicagem agressiva e floresceram na corrupção nos anos 90. Estão adaptando isso ao novo milênio, ou é apenas o mesmo jeito de sempre de se fazer política? São pequenos percalços internos que tornam complicada a situação regional, trazendo desconfiança política que acentua a crise na credibilidade econômica, e que pode se alastrar pelos demais países da região.


Categorias: Europa, Política e Política Externa


0 comments