Resquícios pós-conflito

Por

O encerramento de grandes conflitos muitas vezes não representa efetivamente seu final. Os anos que se seguem após os enfrentamentos são decisivos para o processo de reconciliação e recuperação de uma rotina de paz, o trabalho com a memória e a reconstrução – física e mental – dos indivíduos e dos locais que sofreram com a violência de uma guerra.

Contudo, mesmo após muitos anos, bombas e minas antipessoal ainda tornam vivas as lembranças dos horrores passados, vitimando inocentes após gerações e demonstrando a perversidade desse tipo de armamento.

Uma explosão na última sexta-feira levou a uma vítima fatal e oito pessoas feridas na cidade de Euskirchen, no Estado da Renânia do Norte-Vestfália na Alemanha, após uma escavadeira colidir com uma bomba da Segunda Guerra Mundial (foto). As áreas industriais do país ainda revelam incidentes similares com frequência, evidenciando a necessidade de esforço especial do governo para a desativação de bombas.

Apesar de não terem sido registradas vítimas fatais recentemente na Alemanha, milhares de pessoas têm de ser evacuadas a cada nova descoberta. Apenas no ano de 2012, 706 bombas foram desativadas, mais de um terço pesando mais de 50 kg. Em novembro do último ano, uma bomba de impressionantes 1,8 tons (!) foi desativada em Dortmund.

O drama de bombas atiradas à época das Grandes Guerras na Europa (especialmente remanescentes na Alemanha, na França e no Reino Unido) revela tragédia similar àquela das minas antipessoal plantadas em muitos lugares do mundo em situações de conflito. A chamada Convenção de Ottawa proíbe totalmente seu uso desde 1997, em campanha humanitária que revela a importância de que o assunto permaneça em pauta. Com 161 Estados-Parte, o tratado mobiliza a comunidade internacional e supera antigos paradigmas de segurança nacional em prol da desminagem.

Entretanto, ainda recentemente o governo sírio foi acusado de se utilizar do armamento no conflito que persiste no país, o que demonstra que o tema ainda não foi superado e se faz presente nos grandes debates internacionais.

Desafio atual, demonstrando que as consequências dos conflitos permanecem por anos a fio após a celebração da paz – momento importante, mas que não se encerra em si mesmo, em um longo processo histórico para a superação dos últimos resquícios de conflitos na vida dos civis. 


Categorias: Assistência Humanitária, Conflitos, Direitos Humanos, Europa


0 comments