Realidade cruel

Por

Tráfico de pessoas. Em pleno século XXI, uma cruel realidade que recebe muito menos atenção do que deveria, se considerado o nível de sua gravidade. O relatório sobre o tema divulgado ontem pelo Organismo das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC) referente ao período de 2007 a 2010 traz informações alarmantes: apenas em 2010, uma quantidade aproximada de 12 milhões de pessoas foram vítimas de trabalho forçado, exploração sexual e outras formas de tráfico humano. Segundo o relatório, 27% das vítimas durante este período foram crianças e 55% mulheres. [Confira aqui a íntegra do relatório “Global Report on Trafficking in Persons 2012”.]

A perversa ideia de indivíduos como produtos, tal como sugere a imagem no início do post, ainda faz parte da realidade internacional, apesar de ser um assunto constantemente negligenciado pela sociedade, como se tivesse se encerrado há séculos com a proibição do comércio negreiro. Fato é que a compra e venda de indivíduos ainda ocorre com intensidade elevada nos dias de hoje, especialmente em meio aos mais vulneráveis (mulheres e crianças).

Perceber, a partir dos resultados publicados neste relatório, que a incidência do tráfico para trabalho forçado duplicou em relação aos últimos quatro anos analisados demonstra uma incapacidade internacional de combater esse fenômeno que se intensifica com o passar do tempo, ao invés de ser eliminado.

Segundo as informações oficiais, a quantidade de crianças traficadas varia consideravelmente em cada região do mundo, passando de 16% na Europa e Ásia Central para 27% nas Américas; 39% no Sul e Leste Asiático; e elevados 68% no Oriente Médio e na África. Com uma amplitude de 132 países, a impunidade ainda é, contudo, um traço comum, ressaltando-se as grandes dificuldades de investigação e condenação por este crime.

Em termos realistas, o fator econômico ainda explica o motivo de permanência desta situação: segundo a Organização Mundial do Trabalho, cerca de 32 bilhões de dólares (!) são movimentados anualmente devido ao contrabando humano – valor que é superado apenas pelo tráfico de drogas.

Compreender o contexto atual de tráfico humano faz parte do processo de conscientização sobre a gravidade do problema. Contudo, esperar uma “resposta enérgica” das autoridades, como sugere o diretor do UNODC, para o combate efetivo deste tipo de crime parece ser um desafio muito mais difícil do que se possa imaginar…

 


Categorias: Assistência Humanitária, Direitos Humanos, Organizações Internacionais


3 comments
Bianca Fadel
Bianca Fadel

Obrigada por seu comentário e por seguir o blog! Realmente, essa questão é muito mais complexa do que normalmente se imagina.Um abraço!

Jana
Jana

Sabe, acho muito triste uma coisa que estou vendo contantemente que é as pessoas se apavorarem com o que esta sendo mostrado na novela da Globo, "salve Jorge" sobre esse tema, como se isso passace a existir somente agora e como se aquilo ali fosse a realidade pura. Ao meu ver o que é mostrado na novela da Globo é pura fantasia pois a realidade mesmo as pessoas não aguentariam assistir na hora da refeição.Isso mostra o nivel da alienação politico- social que já vivemos em nosso país, um quadro triste onde não vejo muita esperança de reversão.Ninguém se interessa por assuntos assim até que passe em aguama das novelas da globo e quando isso acontecem, permanecem acomodadas com a situação não se importando em buscar dados além daqueles que lhe são empurrados com realidade pura.Parabéns pelo post... estou seguindo o blog.