Realidade cruel

Por

Tráfico de pessoas. Em pleno século XXI, uma cruel realidade que recebe muito menos atenção do que deveria, se considerado o nível de sua gravidade. O relatório sobre o tema divulgado ontem pelo Organismo das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC) referente ao período de 2007 a 2010 traz informações alarmantes: apenas em 2010, uma quantidade aproximada de 12 milhões de pessoas foram vítimas de trabalho forçado, exploração sexual e outras formas de tráfico humano. Segundo o relatório, 27% das vítimas durante este período foram crianças e 55% mulheres. [Confira aqui a íntegra do relatório “Global Report on Trafficking in Persons 2012”.]

A perversa ideia de indivíduos como produtos, tal como sugere a imagem no início do post, ainda faz parte da realidade internacional, apesar de ser um assunto constantemente negligenciado pela sociedade, como se tivesse se encerrado há séculos com a proibição do comércio negreiro. Fato é que a compra e venda de indivíduos ainda ocorre com intensidade elevada nos dias de hoje, especialmente em meio aos mais vulneráveis (mulheres e crianças).

Perceber, a partir dos resultados publicados neste relatório, que a incidência do tráfico para trabalho forçado duplicou em relação aos últimos quatro anos analisados demonstra uma incapacidade internacional de combater esse fenômeno que se intensifica com o passar do tempo, ao invés de ser eliminado.

Segundo as informações oficiais, a quantidade de crianças traficadas varia consideravelmente em cada região do mundo, passando de 16% na Europa e Ásia Central para 27% nas Américas; 39% no Sul e Leste Asiático; e elevados 68% no Oriente Médio e na África. Com uma amplitude de 132 países, a impunidade ainda é, contudo, um traço comum, ressaltando-se as grandes dificuldades de investigação e condenação por este crime.

Em termos realistas, o fator econômico ainda explica o motivo de permanência desta situação: segundo a Organização Mundial do Trabalho, cerca de 32 bilhões de dólares (!) são movimentados anualmente devido ao contrabando humano – valor que é superado apenas pelo tráfico de drogas.

Compreender o contexto atual de tráfico humano faz parte do processo de conscientização sobre a gravidade do problema. Contudo, esperar uma “resposta enérgica” das autoridades, como sugere o diretor do UNODC, para o combate efetivo deste tipo de crime parece ser um desafio muito mais difícil do que se possa imaginar…

 


Categorias: Assistência Humanitária, Direitos Humanos, Organizações Internacionais