Queimada, mas orientada…

Por

[Post rápido. Desculpem não estar mais presente por aqui quanto gostaria, é que as coisas estão meio corridas. Ainda bem que temos colaboradores. Quer mandar um post, uma dúvida ou uma sugestão? O endereço é: [email protected]]

Antes de eu entrar na faculdade, lembro de ter visto uma entrevista com o ministro Celso Amorim. Como sempre, a gente lembra mais das coisas que não tem tanta importância e, de tudo o que ele falou, ficaram na minha cabeça duas ‘curiosidades’.

Amorim disse que viajava muito e, por isso, vivia se queimando nos chuveiros dos hotéis, já que as torneiras eram muito diferentes de um lugar para o outro e isso dificultava a regulagem da temperatura da água. A outra coisa é que, devido a tantas viagens, às vezes ele acordava sem saber onde estava. Se bem que às vezes eu acho que ele está muito bem acordado, mas ainda assim age como se não soubesse em que mundo está…

Bom, se é verdade que quem viaja muito se queima (sem ser pejorativo), uma que deve estar toda queimada é a Hillary Clinton, que, desde que Obama assumiu, está viajando bastante. Agora mesmo ela está no Egito e já passou pela Ásia.

Isso tudo sinaliza a mudança de foco da política externa do governo Obama. Mandar o chanceller pra algum lugar em início de governo quer dizer muito. E a Hillary foi pra China, por exemplo, pra uma reunião preliminar sobre mudanças climáticas, algo impensável no governo Bush. Aliás, Obama também tem sinalizado que está mesmo disposto a negociar um novo acordo sobre mudanças climáticas, e tem também tomado medidas internas sobre o mercado de carbono, algo muito bom.

Essa viagem quer dizer muito: mostra que os EUA estão dispostos a negociar, e, além disso, mostra que a Ásia e a China têm um peso importante para seu governo.

Além dessa, o governo Obama também anunciou hoje a intenção de reduzir os subsídios agrícolas, o que certamente vai dar muito pano pra manga ainda porque o lobby do setor agrícola é muito forte no congresso e não vai deixar essa passar assim tão fácil.

Pois é, pessoal, a Hillary deve estar se queimando pelos hotéis por aí. Tomara que, ao menos, ao contrário do nosso ministro, ela saiba onde está…


Categorias: Estados Unidos


4 comments
Carla Diaz
Carla Diaz

Adorei o post rápido! Excelente pela leveza e ironia utiliza aproveitando o comentário infeliz do Celso Amorim e associando a atuação de Hillary.Esperemos que o Celsinho pare de se queimar e se encontre.Abraços

Erlon Faria Rachi
Erlon Faria Rachi

AlcirPra defendê-la é preciso que EXISTA uma política externa.O que temos é uma burocracia MUITO QUALIFICADA por sinal, porém que apenas CUIDA dos assuntos externos do país.E há uma diferença enorme entre cuidar dos assuntos externos e perseguir uma POLÍTICA externa.

Alcir Candido
Alcir Candido

Pois é, Erlon. Acho que a gente precisa dar pro nosso ministro é um GPS bem preciso. Eu não sei, mas estou precisando ouvir alguém que defenda o nosso governo e a nossa política externa, pra ver se eu não estou exagerando, viu...

Erlon Faria Rachi
Erlon Faria Rachi

AlcirVeja que não só a Secretária Clinton tem viajado muito, mas também os três outros ‘super-sub-secretários’ que são os enviados especiais para o Afeganistão/Paquistão, aquele responsável pelo conflito Israelo-Palestino, o responsável pelo Irã e o responsável pela Coréia do Norte.Adotou-se esta divisão de ‘super-sub-secretários’ justamente porque querem RESULTADOS e resultados rápidos. Os problemas são urgentes demais para que o tempo de um único ser humano dê conta do recado.Esta hipermovimentação americana tem o seguinte motivo: os EUA sabem o que querem na cena internacional. O governo Obama definiu claramente o que ele quer dos seus aliados e dos seus inimigos.Basicamente podemos destacar os seguintes objetivos:1) Retirada do Iraque, com o país ficando minimamente estável;2) Contenção da disposição nuclear iraniana3) Estabilização e um mínimo de governabilidade no Paquistão4) Incorporar o ‘pequeno T’. A fração menos radical do talibã para permitir um mínimo de governabilidade ao Afeganistão, que permita diminuir a exposição de tropas.5) Executar a política de dois estados entre Israel e Palestina6) Conter a Rússia, negociando um novo tratado de limitação de armas nucleares7) Integrar a China ao sistema de governança Ocidental8) Continuar contendo a Coréia do Norte e esperar a morte de Kim Jong Il (mesma estratégia para Cuba)9) Evitar o contágio e a disseminação da crise financeira global10) Conseguir aliados que possam garantir os objetivos anterioresÉ uma agenda para ‘Santo Obama’ nenhum botar defeito. Toda ela tem prazo. Toda está sendo executada em termos de ‘projeto’. Há fundos assinalados (como os US$ 4.5 Bi levantados para os palestinos essa semana). Há agências envolvidas. Há encontros agendados. Há políticas em andamento.Outros temas são ‘segunda-linha’ e são tratados pelos sub-secretários normais. Porém estão em acordo com as visões gerais do governo Obama: Mudança Climática, Incentivo aos mercados de carbono, integração da APEC, pactos comerciais com a Colômbia, Honduras, Coréia do Sul, rodada Doha (sim, ela ainda vive, apesar de estar na UTI faz tempo... mas mesmo assim parece que só Amorim acredita nela ainda).Crescendo no radar americano, duas situações: A as guerras étnicas da África (Darfur e Congo) e a violência dos cartéis de droga no México (a situação lá está muito, muito ruim).Eis porque eles se movimentam tanto:ELES SABEM O QUE QUEREM!Encaram a política como uma forma de se obter as coisas. Não apenas política por política. De nada vale um tapinha nas costas e dizer ‘gottcha’ quando um adversário não vai bem. O governo Bush pensava assim, mas a sua política externa (como todo o resto da administração) foi um ‘ponto fora da curva’.Já ‘nosotros’ não sabemos bem o que queremos, somos pegos de surpresa pro ‘facadas nas costas’ dos vizinhos da AL.Nosso maior ‘Gol’ na cena internacional foi a formação do G20 de Doha... Uma coalizão que não se sustenta, pois não foi feita para PROPOR uma política que ALCANCE algum objetivo, foi apenas costurada para barrar (corretamente a meu ver) uma proposta MUITO RUIM dos EUA e da Europa.Não aumentamos o fluxo de comércio do MERCOSUL, não aumentamos a integração da AL (exceto as cúpulas presidenciais, nada foi feito). Não aumentamos nossa participação econômica ou política no Oriente Médio. Vale lembrar que a menos de 3 anos foi feita uma CUPULA COM OS ARABES AQUI! Foi celebrado como uma ‘vitória’ da diplomacia ‘sul-sul’. Terminado o convescote, continuamos na mesma.É muito pouco. Muito pouco mesmo.Diante do que foi obtido, dá até pra conseguir saber onde se está ao se acordar em um quarto de hotel.