Post Especial: homenagem a Eric Hobsbawm

Por

Hoje é um dia muito especial – e triste – para os estudiosos de História e Relações Internacionais. Estava eu me preparado para atacar mais uma vez os problemas econômicos do velho mundo quando caiu uma bomba na página do noticiário, com a morte do longevo historiador Eric J. Hobsbawm, aos 95 anos. 

Hobsbawm é uma figura conhecida por quase todo mundo que já tenha passado pela academia, não apenas em História ou Relações Internacionais, mas pelas áreas de Humanas em geral, de Ciência Política a Sociologia. Era um pouco do que podemos chamar de um homem “internacional”: nascido no Egito sob dominação inglesa, de família judia, morou na Áustria e na Alemanha, se mudando para a Inglaterra logo que Hitler chegou ao poder. Marxista apaixonado (e, apesar de decepcionado com o rumo do “socialismo real”, ainda esperançoso de um futuro melhor com base nesse ideário), Hobsbawm trabalhava com o método clássico, partindo do ponto da relação de classes com os meios de produção para engendrar seus estudos. 

Ele era aquele tipo de pensador “completo”, que tinha uma opinião bastante crítica da sociedade atual e que poderia falar com propriedade sobre praticamente qualquer assunto. Sua fama internacional é devida justamente ao conjunto de quatro obras sobre a história da Europa dos séculos XIX e XX (a coleção “das Eras”: A Era das Revoluções, A Era do Capital, A Era dos Impérios e A Era dos Extremos) que, inadvertidamente, acaba sendo um compêndio estupendo da história mundial nesse período, e que poucos autores se propuseram a trabalhar de modo tão competente. 

Mas, para a área de Relações Internacionais, provavelmente sua principal contribuição tenha sido com a obra “Nações e Nacionalismo desde 1780”, em que aborda o fenômeno da construção do Estado nacional, e sua relação com a construção da identidade nacional, como algo orquestrado por elites específicas dominando certos meios políticos e tecnológicos para obter o apoio das demais classes nesse “projeto”. Mais do que criticar o modo como ocorreu esse processo, Hobsbawm mostra como ele evoluiu em cada contexto histórico, e se trata de uma discussão pertinente até os dias de hoje. 

Hobsbawm era humano, e desse modo não estava livre de ter suas falhas. A critica mais comum a ele desse lado do equador é que, para um especialista em Europa, ele tratava muito pouco de América Latina, ignorando um dos principais elementos do passado colonial das potências europeias; quando o fazia, era de modo superficial ou contestável (ele é um dos que credita, por exemplo, a Guerra do Paraguai ao imperialismo inglês). Além da sempre presente crítica ao materialismo histórico, mas deixo essa briga pros historiadores. 

Talvez a principal contribuição de Hobsbawm tenha sido sua tenacidade. Mesmo aos 95 anos, ele ainda era um defensor fugaz de suas idéias, e que participava não apenas da vida acadêmica, mas se preocupava com a vida política de seu país. Um pouco disso é perceptível em sua última obra, uma coleção de ensaios chamada “Como mudar o mundo”, de 2010, em que fala do histórico das lutas sociais e do marxismo. Ao seu modo, Hobsbawm era um historiador que buscava, mais do que desenvolver suas idéias no ambiente “asséptico” das universidades, mudar o mundo. Pensar no futuro, olhando para o passado – de um modo simples até, mas apaixonado. Esse é o legado que deixa para as gerações futuras, em suas obras agora imortalizadas.


Categorias: Post Especial


0 comments