Post do Leitor

Post do Leitor – Tiago Pedro Vales

[Pessoal, hoje apresentamos um post escrito por Tiago Pedro Vales, mestre pelo programa de pós-graduação em História da UNESP, acerca da crise na União Europeia. O texto se torna ainda mais interessante pelo fato de o autor atualmente residir em Lisboa e, portanto, está vivenciando a crise de perto. Lembrando que todos podem participar da Página Internacional, basta enviar textos para [email protected]


Crise…

A crise econômica do velho continente tem ocupado boa parte dos noticiários mundo afora. Mais do que isso, tem deixado muita gente preocupada. Os Estados tem se esforçado para encontrar uma solução mas, no entanto, é difícil atender a todos os interesses, principalmente quando se fala em um bloco de países como a União Europeia, que guarda dentro de si discrepâncias enormes quando se trata de desenvolvimento econômico. 

De um lado está a todo-poderosa Alemanha (PIB atual de US$ 3,3 tri), atualmente a quarta economia do mundo e, por outro, uma série de países que, mesmo somados, tem economias pouco expressivas, como Portugal (US$ 228 bi), Grécia (US$ 301 bi) e Romênia (US$ 161 bi) que dividem um mesmo banco central. Este tem o desafio de formular políticas monetárias que sejam viáveis desde a Finlândia ao Algarve. Tarefa bastante ingrata, é verdade, e que, segundo alguns, é a causa da crise. 

Não é só entre ricos e pobres que se dividem os interesses na União Europeia. Dentro do “alto clero” (Alemanha, França e Reino Unido) há interesses divergentes que por vezes impedem a aplicação de medidas que evitariam ou solucionariam crises como a atual. Ainda assim, a União Europeia serve de exemplo de integração regional e desenvolvimento econômico a todos os blocos que assim pretendem ser. 

Há muitas críticas acerca dos planos de recuperação em Portugal e Grécia, principalmente. Por conta das condições e reformas exigidas em troca de ajuda financeira, os países tiveram de cortar drasticamente seus investimentos em todas as áreas. Suspenderam direitos, cortaram salários, aumentaram impostos, despediram funcionários públicos, entre outras medidas que, ao menos por enquanto, não tiveram o resultado esperado. Em Portugal, nove meses depois dos acordos com a troika (Banco Central Europeu + Comissão Europeia + FMI) pariu-se uma taxa de desemprego que está chegando aos 20%, ou 35% entre os jovens (20 a 25 anos). A expectativa é que essa taxa aumente ao menos até meados de 2012. 

A crise europeia, no entanto, é diferente das crises do passado no Brasil e América Latina. Há tempos que os europeus, de forma geral, superaram alguns problemas sociais que ainda estão presentes no cotidiano brasileiro. Pelo menos por enquanto, a crise ainda não corroeu a boa qualidade de vida que os Estados europeus conseguem oferecer aos seus cidadãos. Por enquanto não há índices inflacionários tão altos, ou seja, não há inflação como houve e há na América Latina (ou pelo menos o Banco Central Europeu não a quer, mesmo que for para resolver a crise), há desemprego, mas também há alternativas (mesmo que sejam a migração para países da União Europeia menos afetados pela crise ou ainda em direção a países emergentes). De fato, o primeiro-ministro português, Passos Coelho, encorajou seus cidadãos a migrarem. Há portugueses pedindo emprego em call centers brasileiros. O consumo de bens não duráveis tem caído, um efeito colateral esperado, já que se tem, ao menos em Portugal, aumentado os impostos e cortados os salários. Mesmo assim, não há um mal social generalizado e sim dificuldades. 

Não se pode, no entanto, minimizar alguns casos extremos. Por exemplo, portugueses estão “rifando” a própria casa para poder sobreviver. Espanhóis estão migrando ilegalmente às suas antigas colônias em busca de oportunidades. Mais chocante ainda, casais gregos estão doando os próprios filhos porque não têm como sustentá-los. Mas isso, por enquanto, são casos extremos. Façamos votos que não se torne a regra.


Categorias: Américas, Economia, Europa, Polêmica, Política e Política Externa, Post do leitor


0 comments