Post do Leitor

Post do Leitor – Luis Felipe Kitamura

[Caros leitores segue mais um excelente texto do nosso estimado colega Luis Felipe Kitamura. Aproveitem a leitura!]

Os desafios do continente africano


Um continente historicamente marcado pela exploração. Uma divisão territorial que destruiu as bases para um processo político e social estável durante o século XX. Em grande medida, na África o estado nasceu antes na nação.
Diante de sua imensa complexidade é impossível não ter uma visão estereotipada acerca das questões que permeiam este continente. Mudar está perspectiva faz necessário, uma visão sob a qual o continente é definido exclusivamente pela miséria e por conflitos.

Veja a foto abaixo, você imaginaria que isso é Harare, capital do Zimbábue?

(Harare – Capital do Zimbábue)

Entre os anos 2001-2006, por exemplo, o continente apresentou crescimento do Produto Interno Bruto de cerca de 4%. Atingindo em 2006, 5,5%, incluindo um percentual de 5,7% da região sub-sahaariana. (segundo dados do Fundo Monetário Internacional). Os prospectos se apresentavam como promissores, mas a crise do sistema financeiro atingiu também o continente, afetando o continente em três frentes principais: diminuição de investimentos estrangeiros, queda do preço das commodities – afetando a arrecadação, e a perda de empregos. Neste contexto, a África do Sul, por exemplo, apresenta-se oficialmente em recessão, tendo tido uma retração de 6,4% no último trimestre. (simplesmente a maior economia do continente)

O atual contexto pode ser uma grande oportunidade para os africanos. Nada indicava que os números da benesse econômica citados acima eram baseados na reestruturação econômica e muito menos que refletiam um desenvolvimento social. Muito pelo contrário, baseava-se na exploração de recursos naturais e sua comercialização com as potências e países emergentes. Era, portanto, baseado nas circunstâncias exógenas, processos conjunturais e não estruturais. Uma vez alterada essa dinâmica, o continente teve seu ritmo econômico fortemente afetado.

A África é a última fronteira a ser conquistada pelas grandes corporações e por investimentos estatais. A China já percebeu isso, despendendo grandes investimentos e fornecendo empréstimos a países da região. Existem grandes oportunidades também para empreendedores, uma vez que existe um grande mercado consumidor por ser conquistado.

Desde o início do milênio a África tem crescido em ritmo superior a média mundial. As contingências atuais tendem diminuir no longo prazo. Este é o momento do surgimento de novas lideranças, que conduzam o continente ao desenvolvimento econômico em favor do social, de maneira a melhorar a qualidade de vida de seus cidadãos.

Mudanças essenciais:
1) Democratização (fundação de procedimentos e instituições mais sólidas)
2) Consolidar os mecanismos de prevenção e resolução de conflitos
3) Buscar maior cooperação – através da União Africana
4) Melhor governança

A mentalidade colonial permaneceu como suprema mesmo no período pós-colonial. As lideranças africanas emergentes no período – Mugabe do Zimbábue é o exemplo vivo disso, governaram sob a mesma lógica personalista advinda colonização. A perpetuação de governos de tal mota foi e alguns sentidos ainda é o principal entrave ao desenvolvimento e cooperação dentro do continente. O problema no Zimbábue, assim como no Sudão – com o procurado Omar Bashir, demonstra a fragilidade da cooperação política nesse continente.

Os desafios são grandes. As oportunidades que se apresentam também. Falta um ano para o início da Copa do Mundo da África do Sul. Essa é uma das grandes esperanças do continente, em termos de retorno (em atividade econômica) dos investimentos realizados em infra-estrutura. O impacto não seria sentido somente no país sede, mas sobre o continente como um todo. O legado de eventos desse porte é inegável, cabe agora esperar e ver, se este será comparável ao da Olimpíada 2008 na China – estrondoso sucesso, ou ao Pan-Americano 2007 no Brasil – com resultados bem mais discretos e com grandes indícios de malversação do dinheiro público.


Categorias: África, Post do leitor


2 comments
Alcir Candido
Alcir Candido

Oi, Natália, não fui eu quem fez a postagem, e o tempo não me deixou ver muita coisa pra falar a verdade. Vou verificar o arquivo que o kita enviou, qualquer coisa, peço pra ele colocar o link nos comentários,;)

Natália Rodrigues
Natália Rodrigues

Alcir, cadê a imagem do post? muito interessante o texto. parabéns, Kita!