Papa (quer ser) pop!

Por


[mais um dia de correria…]

Pessoal, tem papa que é pop. E tem papa que quer ser pop. O Bento XVI é um que entra no segundo caso. E às vezes eu tenho até dó dele, pra falar a verdade.

Vejam o exemplo. Esta semana ele foi pro Oriente Médio. E na maior boa vontade. Não sejamos bobos, ele foi pra lá com interesses políticos. Já fez o maior estrago com o mundo árabe naquela história de que o islã é violento e tal. Aí foi comendo pelas beradas, uma declaração aqui, outra lá. Até que foi pra Turquia, que é o mais ocidental dos países islâmicos. Enfim, até que chegou ao barril de pólvora do Oriente Médio.

E tem se portado com um papa mesmo. Declarações vagas sobre a paz. Apóia um Estado palestino (coisa que até Israel disse que aceita com os devidos limites), enfim, nada bombástico.

É claro que temos de destacar o movimento clássico em termos políticos: depois de se queimar com o mundo islâmico (que representa 1/3 da população mundial), é claro que ele ia puxar a sardinha pro lado deles. Passeou por lá, fez discursos, missas, defendeu o Estado palestino…

E é claro que isso não agradou aos judeus… Veio à tona a tal da história de que o papa foi da juventude nazista. o que eu acho uma bobagem, porque na Alemanha nazista TODOS eram obrigados a se inscrever nesse tipo de coisa…

Enfim… O coitado não agradou nem a gregos nem a troianos, e muito menos a palestinos e israelenses… Mas vale a tentativa, mostra que a igreja está ciente da importância das questões religiosas para a estabilidade do nosso mundo véio sem portera e que o papa quer ser pop!


Categorias: Europa, Paz, Política e Política Externa