Os resultados falam por si

Por

Vejam essas duas notícias que saíram no Valor ontem e hoje, respectivamente, e vejamos se é possível identificar uma diferença de foco entre o Brasil e a China.

1. China vai investir US$ 2 bi na África.
2. Lula planeja Instituto de combate à pobreza na África para 2011.

E aí? Só pra clarificar um pouco: a China já investe na África há tempos – inclusive em polêmicos projetos no Sudão – tanto pela via pública quanto privada. Existe até mesmo um fundo chinês – que ao contrário do que ocorre no Brasil realmente existe e é usado – para obras no continente africano. Agora, com a crise, muitas empresas deixaram a África e a China quer entrar no vácuo. Os objetivos são claros: a África tem minério e petróleo. A China precisa disso para financiar seu crescimento.

No caso da segunda notícia, ela não diz respeito à política externa do Brasil em si, mas de uma pretensão do Lula de criar o tal instituto para poder trabalhar depois que sair do governo, já que diz que não quer ficar dando palestras por aí. Mesmo assim, evidencia o foco que é dado por nossa política externa.

Em resumo: a China se usa da economia. O Brasil, da política.

Enquanto a China, não só na África, se utiliza de sua política externa e de sua força pensando em termos econômicos, o Brasil faz o mesmo, pensando em termos políticos.

A China investe, desburocratiza, constrói, abre caminho para suas empresas, fecha acordos comerciais e, no fim, estabelece relações políticas com os países africanos.

O Brasil cria institutos, faz tratados, quer unificar a língua, burocratiza o quanto pode a vida de suas empresas e se fecha a qualquer tipo de negociação comercial a fim de, por meio de acordos políticos, estabelecer relações econômicas com outros países.

Eu acho que os resultados de ambos os focos deixam claros qual seria a abordagem correta.


Categorias: Política e Política Externa


1 comments
Ivan Boscariol
Ivan Boscariol

Lembrando que foi criado recentemente um Comando Militar Norte-Americano para a África, que muitos dizem querer segurar esses recursos em questão...