Obama na Turquia

Por

Pessoal, ele está de volta aqui no blog. Não se enganem, esse não é o blog do Obama, mas o cara anda fazendo as dele por aí e a gente não pode deixar passar.

Mesmo assim, lendo a The Economist dessa semana me lembrei de uma coisa muito importante que aconteceu e que acabou passando batida por aqui. O Obama encerrou sua turnê na União Européia lá na Turquia. Como é de praxe por aqui, a notícia pela notícia todo mundo já sabe, vamos, então, à análise.

Em primeiro lugar, ao visitar a Turquia, o Obama cumpre uma tarefa importante, por razões óbivas depois de oito anos de porrete do Bush: visitar um país árabe. E ele deixou bem claro em um discurso para o parlamento que as guerras dos EUA não são contra os islâmicos nem o Islamismo. Assim, ele cumpre uma promessa (visitar um país islâmico nos primeiros 100 dias de governo) ao mesmo tempo que tenta diminuir a tensão com o ocidente.

E tem mais do que isso, claro. Vamos aos dados da Turquia: os fatos mais simples: país emergente, de grande crescimento, que quer entrar na União Européia.

O pulo do gato mesmo o Obama também falou: a Turquia é uma ponte natural entre a Europa e o Oriente Médio (região que mais produz petróleo no mundo). É, portanto, um corredor de energia. E segurança energética, como já falamos por aqui, é assunto sério pra qualquer país. Então, ser esse corredor é muito importante. Lembram quando a Ucrânia (que faz esse tipo de papel entre a Rússia e a Europa), colocou os europeus contra a parede em janeiro? É, dessa forma, uma questão estratégica em termos de energia.

Como se não bastasse, a Turquia também está com a faca e o queijo na mão para ser um importante player na resolução dos problemas do Cáucaso (Geórgia, Armânia, etc). Lugar bem problemático, diga-se de passagem, até guerra estava tendo estes tempos por lá. Neste caso, os turcos têm primeiro de resolver seus problemas com os armênios, mas, feito isso, o caminho fica limpo.

Ainda, a Turquia tem o segundo maior exército da OTAN, atrás apenas dos EUA e tem uma grande base americana na região de Incirlik. Em tempo ainda, o primeiro ministro turco está se engajando fortemente na diplomacia no Oriente Médio, por exemplo, mediando acordos entre Síria e Israel e também mantendo contato com o Irã, além de não deixar pra trás a questão dos curdos no Iraque.

Como eu já disse uma vez no post da Índia: É mole ou quer mais?

E tem mais: a Turquia dá um exemplo de que é possível se fazer um regime democrático em países muçulmanos. A democracia lá já vem de longa data. Isso, obviamente, é muito importante em tempos de se tentar democratizar os países islâmicos.

Então, taí, gente. Por isso escolher a Turquia, e não outro país muçulmano.

Mas houve problemas na visita também. Causou constrangimente na Europa as declarações claras e firmes do Obama em apoio à entrada da Turquia na União Européia., sobretudo na França e Alemanha, países que mais se opõe à entrada dos turcos. Ficou meio que o clima de que os EUA devem cuidar dos seus problemas (e eles os têm, como no caso dos problemas na fronteira com o México e os acordos não cumpridos do NAFTA) antes de questionar os outros, ainda mais em um assunto tão delicado e interno da UE.

É isso, pessoal. Amanhã tem podcast, e vai ser sobre a reunião da OEA. Alguma sugestão a mais?


Categorias: Estados Unidos, Organizações Internacionais, Oriente Médio e Mundo Islâmico


7 comments
Alcir Candido
Alcir Candido

uahuhauha, não, turismologa, sou brasileiro que estou no brasil mesmo!t +

turismologa
turismologa

vc é brasileiro que está na Turquia???????????

Alcir Candido
Alcir Candido

Dihitt againescrito por NHAMUNDÁ (Lison Costa)Site: http://www.nhamundaonline.com/ "Amigo,Vamos torcer que tudo transcorra bem, e o Senhor Obama,saiba, não somente dá o pulo do gato, e sim saber como é que ele (o gato) vai cair!Parabéns pelo Post!Abraços,LISON."

Alcir Candido
Alcir Candido

Nelson, muito obrigado!Mais um comentário do dhittescrito por pcsaudavelSite: http://www.pcsaudavel.com "AlcirEsperamos que o Presidente Obama melhore as relações diplomaticas com os paises que ajude intensamente no combate da crise mundial.Um AbraçoRoberto"

ProfessorNelsonMS
ProfessorNelsonMS

Alcir,Saio satisfeito após a leitura deste post por diversas razões.Uma delas, foi a qualidade da opinião expressa nele, a outra, foi ver uma interação que pretende estabelecer um equilíbrio mais harmonioso naquela região. Poderá haver até algumas críticas com relação aos interesses não declarados por ambas as partes, mas entendo que as relações são auto-organizadoras (referências a Fritjof Capra e a Le Chatelier) e, sendo assim, novos equilíbrios vão sendo alcançados.Um abraço.Nelson

Alcir Candido
Alcir Candido

Veio ver um comentário aqui, né? É legal saber o que os outros estão pensando, não é mesmo?Então, não deixe de comentar, nem que seja pra dizer: legal, ou então: não gostei. Precisamos de feedbacks para melhorar sempre!até mais