Mais Rio+20!

Por

Nesta semana, em Brasília, ocorreram dois eventos de grande importância para as chamadas “relações internacionais locais” do Brasil. A Frente Nacional de Prefeitos (FNP) organizou sua 61ª Reunião Geral em meio ao I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável – Pequenos Negócios, Qualidade Ambiental Urbana e Erradicação da Miséria. Neste, foram realizadas inúmeras reuniões sobre os mais diversos temas: fronteiras, desenvolvimento local, ciência, tecnologia, inovação, economia solidária, políticas públicas para a juventude, etc. 

O objetivo central dos encontros foi reunir o máximo de autoridades locais, principalmente prefeitos, assessores e secretários, para discutir as temáticas já citadas acima. Para tanto, o diálogo se deu, também, com a presença de acadêmicos, governadores e ministros de Estado, justamente para criar as bases de uma maior relação entre as esferas municipal, estadual e federal. Dentre todos os debates, destaco, pela importância e proporção do evento, as iniciativas de finalização da organização da Rio+20, a tão comentada Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável que ocorrerá em meados de Junho, destacando-se os dias finais (20, 21 e 22/06) em que estarão presentes diversos chefes de Estado de todo o mundo. 

Tive a oportunidade de participar da Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Gestores Municipais de Relações Internacionais (FONARI), no qual foi justamente tema principal a organização da Rio+20. Pelo que pude perceber, evidentemente, a conferência é monstruosa quando comparada a outras. Serão dez dias de eventos centrais e paralelos. Haverá desde encontro de prefeitos em Copacabana até reuniões de estadistas no Complexo Rio Centro, participação de “iniciativas verdes”, como organizações não governamentais e empresas sustentáveis, até shows musicais no chamado “Viradão Cultural”. 

O que ficou bastante claro foi a preocupação em conscientizar políticos e a própria população de que a Rio+20 é um evento nacional de proporções internacionais e não somente da cidade ou do governo do Rio de Janeiro. Estão divulgando o evento até mesmo nas escolas públicas. Tenho a certeza de que boa parte dos brasileiros não tem a mínima ideia do peso desta conferência para nosso país. Será a grande oportunidade de ver se o Brasil está preparado para ter eventos internacionais, bem como de firmar nossos ideais de política externa. “iPor supuesto!” que o tema central é desenvolvimento sustentável, mas tem todo um jogo politico por trás disso. 

Também foi debatida a “Cúpula dos Povos”, organizada pela sociedade civil global e que objetiva apresentar uma visão mais crítica, até mesmo de protesto, em meio à Rio+20. Tem toda uma logística entre a cúpula e os eventos principais, algumas alterações provavelmente serão feitas. Eles esperam um grande público e há preocupações no que tange aos transportes públicos e número de leitos em hotéis, tanto é que entre os dias 20 e 22, salvo engano, será feriado na cidade. 

Enfim, foi uma boa oportunidade de ver toda a preparação da Rio+20, de ver secretários, assessores de Relações Internacionais e pessoas envolvidas com o governo estadual carioca debaterem o impacto da conferência para a cidade, o estado e o Brasil como um todo. Esta interlocução tende a crescer e nossa área só tende a ganhar bons frutos com isso. 

PS1: Algumas destas informações e outros adendos podem ser encontrados no site da Rio+20, disponível aqui

PS2: O ICLEI, associação de Governos Locais para a Sustentabilidade, receberá sua reunião de 2012 na cidade de Belo Horizonte (MG). Será a primeira vez que a América do Sul sediará o Congresso Mundial do ICLEI, o qual estará intimamente ligado à Rio+20 através da Global Town Hall. Para maiores informações, acesse aqui.


Categorias: Brasil, Economia, Meio Ambiente