Mais do mesmo?

Por

Depois de quinze meses sem negociações, Irã e as grandes potências voltaram a negociar no mês passado e mais acirradamente nessa semana novamente. Tempo suficiente para que os Estados Unidos e a União Europeia ampliassem as sanções econômicas sobre o país pegando no calcanhar de Aquiles iraniano: o petróleo. Quando parecia que finalmente as potências tinham adquirido aquela moeda de troca que precisavam para os  bons resultados nas negociações, veio a nova rodada de conversas para mostrar que, em se tratando de questões geopolítico-estratégicas, nada é tão simples assim. 

Após uma semana de muito trabalho para o negociador-chefe do Irã para a questão nuclear, Saeed Jalili, somente os próximos meses indicarão o resultado que todas essas negociações levarão, já que vimos uma semana de “vai e volta” nas conversas. Logo no início da semana, a AIEA já tratava dos bons resultados que estava adquirindo nas suas negociações com Irã. O inédito acordo entre a organização e o governo dos aiatolás tem tudo para sair e, supostamente, ampliar o grau de confiança do país perante a comunidade internacional. Uma reunião mal acabou, e ele já estava em Bagdá negociando com a boyband das potências, também conhecida como P5+1. Se o acordo com AIEA trouxe bastantes expectativas positivas para a negociação, bastou começar o encontro para se ver que os quinze meses sem conversas não facilitaram tanto as coisas. 

O embate prossegue com os mesmos argumentos que se tinha durante as últimas conversas. O Irã reitera seu direito natural ao programa nuclear e o condomínio das potências exige que o país retorne seu enriquecimento aos níveis seguros de 5%. Já dissemos em outras oportunidades que sanções não são a via capaz de resolver contenciosos como esses. Todavia, não dá pra dizer que o excesso de medidas contra o Irã não têm surtido efeitos políticos catastróficos para a sociedade (sem também que haja efeitos para a economia mundial). O país está com alguns problemas para a exportação de petróleo, a aviação iraniana não é capaz de obter peças (tornando-a uma das mais perigosas do mundo), além de outros severos efeitos para a economia do país. Essa situação aliada ao risco de um potencial conflito Israel-Irã parece estar forçando o Irã e as potências de volta à mesa de negociações. 

A proposta do P5+1 segue a mesma forma daquele acordo construído com o Brasil e a Turquia que foi rejeitado em 2010. O Irã receberia o urânio já enriquecido para usar em suas instalações. Só que desta vez não seria um país em desenvolvimento com aspirações de grandeza, mas as grandes potências que conduziriam o processo. Já o governo iraniano mantém sua posição de continuar seu programa nuclear, mas ofereceria, em troca de reduções das sanções (clique aqui para conferir as principais sanções contra o país persa), maiores inspeções da AIEA. Resultado, negociações postergadas até junho, nenhum acordo

O cenário é complexo e o retorno das negociações em detrimento de simplesmente ampliar sanções (algo que os EUA fizeram no mesmo dia que a AIEA apontou que havia avanços nas conversas com o Irã) é uma via sempre profícua. As sanções têm surtido efeito sob a economia iraniana, mas não sem receios para a economia mundial. Não temos, entretanto, nada de novo ou nenhuma posição que já não se tinha há quinze meses. Enquanto as tensões geopolíticas entre os vizinhos no Oriente Médio aumentam, as conversas continuam no mesmo pé que sempre estiveram, os Estados Unidos inflexíveis e exigindo flexibilidade do Irã. Ao final das contas foi uma semana de “vai e volta”. Avanços com a AIEA e quase de volta à estaca zero com o P5+1.


Categorias: Defesa, Oriente Médio e Mundo Islâmico, Paz, Polêmica, Política e Política Externa, Segurança


0 comments