Jogando pelas regras

Por

Agora é pra valer – após a morte de centenas (milhares?) de cidadãos, pelas mãos de mercenários ou sob o fogo de aviões de combate, o malvado ditador Kadafi não escapará do punho da justiça internacional! Mesmo com suas bravatas e seu país em uma guerra civil informal, a aguardada resposta internacional está a todo vapor e tende a consolidar a pressão sobre o ditador no que mais aflige a essa classe de governantes: o bolso. Nada de invasões ou coisa parecida (os norte-americanos parecem ter aprendido algo nos últimos 9 anos…): EUA e UE já estão com as sanções prontas, incluindo proibição de viagens, embargo de armas e fechamento de espaço aéreo. Com a chancela do CS, a ONU já clama por ações concretas – e o promotor Luis Moreno-Ocampo, do Tribunal Penal Internacional, aquele que conseguiu emitir um mandado de prisão contra o presidente do Sudão, já prepara a papelada de acusação de crimes contra a humanidade. A isso se somando a conquista pela oposição de cada vez mais territórios, parece que Kadafi não terá muita saída a não ser se tornar o mártir que tanto vocifera.

Mas até que enfim os Amigos da Justiça resolveram agir hein? Estranho, pois imagino que não seja de hoje que Kadafi trate com essa delicadeza seus súditos. Foram necessárias tantas atrocidades para que a comunidade internacional agisse? Ou é apenas uma resposta a essa coisa do momento, a tal “Primavera Árabe”? Um pouco de cada. A verdade é que todos estão caindo sobre Kadafi com paus e pedras pelo fato de ele ter “violado” as regras do jogo internacional. Vejam bem, a um ditador pode ser tolerado pela comunidade internacional, desde que seja útil ou não atraia muita atenção para si. O caso da Arábia Saudita é o mais notório: o rei Abdullah não é o maior entusiasta da democracia, mas quando começaram os protestos, eis que o dinheiro jorrou e os ânimos populares foram acalmados. A monarquia autoritária prossegue, não mancha sua imagem com o sangue de inocentes (ao menos às vistas…) e continua amicíssima dos EUA. Esse parece ser, por sinal, o destino de boa parte dos governos autoritários da região: o temor de levantes e desgaste com a comunidade internacional simplesmente faz com que optem por algumas reformas ou agrados que aliviem as tensões sociais. No jogo internacional, as rodadas ao bem demoradas, mas até quando funcionará? Quem sabe.

O fato é que Kadafi já não era o governante mais bem-quisto no Ocidente, seu regime é notório financiador do terrorismo e muitos países não hesitariam em retirá-lo do poder por bem ou por mal – só lhes faltava a oportunidade, dado que há muitos interesses conflitantes, especialmente de empresas, na região. Todavia, Kadafi fez a gentileza de oferecer-lhes não apenas essa chance, mas de fazê-lo com o aval da comunidade internacional e sob a bandeira da defesa dos direitos humanos, e provavelmente é um caminho sem retorno.


Categorias: Assistência Humanitária, Direitos Humanos, Estados Unidos, Europa, Oriente Médio e Mundo Islâmico


4 comments
Em Busca Do Futuro!
Em Busca Do Futuro!

Na verdade é a mesma coisa. Eu como a maioria dos estudantes tem duvida em relação ao mercado de trabalho,pois, logo após a conclusão do curso, terei que mudar-me de Goiânia (onde provavelmente cursarei RI, na PUC)o que não é problema. Também sei que para ser um internacionalista terei que dedicar-me muito, estudar...rsrsPraticamente em toda profissão. Gostaria que mandesse-me um e-mailcontando sobre sua experiência se possível, aguardarei querido([email protected])Obrigada pela atenção!

Alcir Candido
Alcir Candido

Olá, Anna Karolyne,nós da Página somos suspeitos pra falar se vale a pena fazer RI... rsrsEscreva pra gente, [email protected], quem sabe podemos ajudar na sua decisão e com suas dúvidas,valeu!

AnnaKarolyne_Costa
AnnaKarolyne_Costa

Terminei o ensino médio, tenho 18 e moro em Anicuns, Goiás. Não prestei o vestibular no fim do ano/2010, porque tenho ainda muitas dúvidas sobre o que cursar, eu amo línguas, países, ler....enfim, RI enquadra-se no que quero, só preciso decidir-me logo se vale a pena pelo fato de ser um curso novo ainda. Se alguém tiver alguma sugestão, opinião. Por favor!!!! ObrigadaBeijos! Adoro a "Pagina Internacional"!