Imunidade

Por

Como acho que não passamos uma semana sem falar do Irã, hora de manter a tradição. Na semana passada, o país esteve envolvido em uma séria polêmica com relação ao Reino Unido – pra variar, por causa do programa nuclear. Basicamente, Londres bloqueou contas bancárias e transações financeiras iranianas; em resposta, turbas invadiram, saquearam e destruíram o prédio da embaixada do Reino Unido em Teerã. E isso é uma coisa muito séria – a tradição secular do Direito Internacional da inviolabilidade diplomática foi pro espaço. O governo iraniano lamentou a situação (e não poderia ser de outro modo), mas há indícios claros de que, se não incentivaram (o mais provável, diga-se de passagem), ao menos deixaram a multidão agir livremente. É interessante, inclusive, traçar um paralelo com a invasão da embaixada dos EUA em 1979, numa situação bem parecida, radicais exaltados que agiram à revelia do governo. Se há precedente…

Claro que há divisões no governo de Ahmadinejad: lideranças do governo parecem estar realmente preocupadas com a repercussão do caso, e somente elementos mais radicais apoiariam uma loucura dessas. Mas o estrago está feito: o Reino Unido chamou seus embaixadores de volta e expulsou os iranianos de seu país, enquanto outros membros da UE já estão em vias de reduzir seu pessoal no Irã, prevendo o pior. As sanções foram endurecidas na semana passada, e se o processo continuar (já se fala em embargo ao petróleo do Irã na UE) se espera que o preço do petróleo posa dobrar nos próximos meses. Isso seria ruim para todos (incluindo a Europa em crise, especialmente Grécia, que anda dependendo demais do petróleo iraniano).

Ainda assim, o prospecto de sanções parece melhor que o de ação militar – afinal, ainda deixa a margem para a negociação. E a segunda opção ainda parece em voga, por mais que ainda se diga que a ideia seja péssima. Israel espera com a faca entre os dentes, enquanto os EUA patrulham de perto (tão perto que no fim de semana o Irã anunciou ter derrubado um avião espião dos EUA).

Por mais que tenha sido chocante (no sentido de escandalizar a diplomacia do mundo todo com o rompimento da tradição da imunidade), o que vimos nessa última semana com relação ao Irã pode ser relativa e ironicamente animador. Sanções podem não ser o instrumento ideal, mas nesse caso vemos que surtem efeito. Se vão trazer o Irã para a mesa de negociações, é outra história, mas pelo menos afastam um pouco (bem pouco…) a perspectiva de uma ação armada – essa sim que seria desastrosa, principalmente para o bolso de todos…


Categorias: Conflitos, Defesa, Europa, Oriente Médio e Mundo Islâmico, Paz, Política e Política Externa, Segurança


0 comments