Hong Kong acordou?

Por

hong-kong-2014-12-12-size-598

Nesta semana acabou de maneira bastante insatisfatória (pelo menos para os que protestavam) o movimento de “ocupação” nas ruas de Hong Kong, pedindo por reformas no sistema eleitoral e que acabou se expandindo para outras áreas como desigualdade de renda e segurança. O tráfego foi restabelecido e mais de 200 manifestantes foram presos, com seus acampamentos destruídos pela polícia da cidade.

Pensando que na última vez em que um protesto dessa magnitude aconteceu contra o governo chinês ele ficou conhecido como “massacre”, até que o desfecho não foi tão ruim, mas o fato é que tais protestos não alcançaram nenhum dos objetivos. O governo chinês não cedeu às pressões, o governo local continua sujeito às decisões do partido e a propaganda estatal reafirma a noção de “um país, dois sistemas”.

Ao mesmo tempo, esse fracasso aparente esconde um grande sucesso. Primeiro, o mero fato de que o governo não pôde passar com tanques por cima dos manifestantes como se faria outrora, pela característica peculiar do governo de Hong Kong, tornou possível um tipo de protesto que não se vê mais na China continental. O impacto na vida diária dos cidadãos, e as demandas apresentadas, despertam uma noção de participação e reivindicações que incluiu a sociedade como um todo. O esvaziamento do movimento, seja pela ações mais violentas (como tentativa de invasão de prédios públicos), seja pelo transtorno por falta de transporte, não vão apagar a forte impressão que esse movimento trouxe, chegando a mobilizar dezenas de milhares de pessoas. As lideranças parecem acreditar que isso é apenas uma “retirada” estratégica, e que os protestos retornarão com força em algum momento no ano vindouro.

E agora começa a guerra de ideias. Os manifestantes têm reivindicações, o governo perdeu apoio, Beijing se preocupa. O desfecho disso tudo, se causará uma revolução silenciosa e progressiva na sociedade da ilha, ou se descambará para um conflito mais agudo, dependerá do quanto a China estiver disposta a ceder para a manutenção de sua “joia” ou intimidar e suprimir definitivamente as demandas. Mas do modo como afetou a ilha por completo, a chance de que seja um evento isolado é praticamente descartada e abre uma nova perspectiva para o futuro de Hong Kong.


Categorias: Ásia e Oceania, Política e Política Externa