Hindustan zindabad!

Por

Ou “Vida longa à Índia!”


Uma coisa é muito positiva (mesmo que as vezes sejamos bonzinhos demais) no Brasil: nós não temos inimigos declarados nem estamos em conflito armado com ninguém. Ao contrário da Índia, Paquistão, China e etc.


Acredito que tenham lido o post da Bianca sobre a “pomba espiã”. Mas nessa região tem mais história de espionagem que mulher largada pelo James Bond. Semanas atrás descobriram o caso de uma “espiã” infiltrada na Embaixada da Índia no Paquistão. Não precisa nem falar que foi manchete constante, certo? O interessante é que toda notícia e relatório afirmava que ela não tinha acesso à nenhuma informação relevante, e que no máximo talvez poderia ter comprometido a posição de agentes infiltrados no Paquistão. Isso não impediu os meios de comunicação (e a população) de demolir a imagem dessa mulher por ter ameaçado a integridade territorial.


As coisas já começam errado quando o país admite a presença de agentes secretos em altos postos do governo, provando que o ódio e desconfiança são explícitos. Nada disso surpreende se analisarmos a Cerimônia de Fechamento de Fronteira, evento que presenciei em Amristar, no estado de Punjab.


Essa cerimônia consiste em uma apresentação dos guardas realizando manobras e chutes muito estranhos que culminam em um apertar de mãos dos oficiais da fronteira e o fechamento dos portões para o dia. Seria algo normal se não contasse diariamente com a presença de CENTENAS de pessoas de ambos os lados, levando bandeiras, dançando e gritando amontoados como se estivessem em uma final de campeonato. Esse grito de “Hindustan Zindabad” é puxado pelos próprios oficiais de fronteira, que aparentemente pouco se importam com paz mundial, cooperação bilateral ou outros vocábulos diplomáticos. Pode parecer bobeira, mas isso torna esse ódio oficial e legitima qualquer imbecilidade proferida pelos cidadãos contra seus vizinhos…


Duvido muito que as pessoas que estavam lá sabiam dos detalhes da luta da Caxemira ou das implicações a curto e longo prazo de um conflito com um país vizinho. Mas o governo sabe muito bem, e é extremamente ineficiente em estabelecer negociações com o governo Paquistanês, que também não é nem um pouco genial. É nessas que a China vem, rouba uma parte da Caxemira e lentamente invade o território leste indiano e ninguém faz nada. Cadê o Lula pra ajudar esses governos nessas horas?


PS: Caso alguém se interesse, podem ver outras reflexões e histórias da Índia no meu outro blog, o Tira o Lar do Lugar.


Categorias: Ásia e Oceania, Oriente Médio e Mundo Islâmico