Gelatina de concreto – reunião dos BRIC

Por

Encheção de lingüiça é comum nas Relações Internacionais. Isso é claro quando se tem alguma crise, seja econômica, humanitária ou de qualquer outra natureza. A ONU é a primeira a ligar as máquinas de fazer salsicha: “Banho de sangue no Sri Lanka”; “Genocídio em Darfur” ou qualquer outro termo nos milhões de relatórios feitos pela Organização. E não é só a ineficiente ONU. Todos os países vêm atrás. Discursos, falas, posicionamentos, promessas de envio de dinheiro, enfim. Por inúmeras razões, atitudes mesmo que é bom, nada.


Essa crise nos trouxe muita coisa, mas o que mais se viu foram declarações inócuas, vazias, demonstrações do senso comum. Mas a reunião dos BRIC mostrou que é possível fazer de uma gelatina algo firme como concreto.

A declaração final da reunião foi tão vazia quanto qualquer resolução da ONU contra a Coréia do Norte: “oferecer respostas novas para velhos problemas que precisam de respostas urgentes”, “uma liderança corajosa frente à inércia e indecisão”, “ordem mundial mais justa”, “Vamos coordenar o nosso trabalho. Vamos agir de uma maneira forte e permanente”…

Pois é, mas dessa vez é diferente. Mesmo sem nenhum ato concreto, a simples intenção dos BRIC de atuar de forma conjunta em assuntos referentes à crise já é muito. O peso que esses quatro países no mundo hoje é imenso. E taí o concreto dessa gelatina: 40% da população mundial, 14,6% do PIB do planeta, 12,8% do comércio e 1/4 da superfície do planeta…

Além disso, a reunião dá a entender que a cooperação entre os BRIC pode ser maior, de repente, até um bloco pode surgir (o que é mais complicado dada as inúmeras diferenças entre os 4 países). A próxima reunião, por exemplo, será no Brasil. Ter esses recursos todos trabalhando de forma coordenada é de colocar pressão em qualquer G-8.

E é essa mesma a intenção: uma nova ordem econômica internacional que represente a distribuição de poder atual, que não é a mesma da guerra-fria ou de 15 anos atrás. E me parece que os BRIC têm conseguido pelo menos chamar a atenção.

Pois é, a primeira encheção de lingüiça que eu vejo que pode acabar num bom churrasco!


Categorias: Política e Política Externa


1 comments
Bianca Fadel
Bianca Fadel

Pois é, o potencial dos BRICs é inegável, mas as divergências internas também o são, né ?! Entender até que ponto os quatro países estão dispostos a ceder em prol do bloco ainda é um desafio, na minha opinião...Li alguma coisa sobre uma possível divergência nessa reunião a respeito da questão da diversificação das moedas para reserva de valor (parece que a Rússia super defendeu e a China não se pronunciou)... enfim... questões (econômicas) delicadas...Mas que, no final das contas, o churrasco pode ser muito bom, ah, isso pode... heheAté mais !! Beijos !