Força australiana

Por

No dia em que a Austrália é eliminada da Copa do Mundo, politicamente uma mulher protagoniza uma vitória nacional de impacto interessante para as Relações Internacionais. Julia Gillard, antiga vice-primeira-ministra do Partido Trabalhista australiano, é a nova primeira-ministra da Austrália.

O antigo primeiro-ministro, Kevin Rudd, depois de quase 3 anos de governo, teve sua popularidade abalada e, apesar das incertezas, desistiu da nova disputa poucos momentos antes da votação. Este é criticado por, dentre outras considerações, não se dedicar aos projetos para redução de emissões de gases causadores do efeito estufa e um imposto proposto para taxar lucros excessivos de mineradoras.

Vale ressaltar que é a primeira vez que uma mulher assume esse cargo na Austrália, sendo que ela já liderava o partido majoritário do Parlamento. Seu principal desafio atual é relativo à batalha entre a indústria de mineração e o governo quanto à taxa de imposto de 40% sobre o lucro das mineradoras. Muitas controvérsias políticas têm advindo dessa situação.

Apesar de apresentar a necessidade de manter as metas orçamentárias, Julia adotou um tom ameno. É importante ressaltar sua intenção de relançar o Plano Carbono, de notável importância para a noção de sustentabilidade global no que tange às mudanças climáticas. Vamos ver se isso se comprova no tempo. Vale lembrar que a Austrália, grande exportadora de carvão, foi um dos países que mais tempo levou para ratificar o Protocolo de Kyoto relativo às mudanças climáticas.

Solteira convicta no auge de seus 48 anos, Julia já precisou superar declarações críticas como, em 2007, quando um deputado conservador afirmou veementemente que uma “uma mulher deliberadamente estéril” não podia conduzir os assuntos do país.

Polêmicas à parte, Julia demonstra a força de um novo tempo político no mundo em que cada vez mais as mulheres se destacam enquanto agentes na construção das Relações Internacionais. Aguardemos, pois, o desenrolar de sua atuação para analisar a força australiana diante dos desafios contemporâneos.


Categorias: Ásia e Oceania, Política e Política Externa


0 comments