Enquanto isso, na Tunísia…

Por

Certamente não é todo dia que a Tunísia, país localizado ao norte da África, estampa os noticiários internacionais. Contudo, esta tem sido a situação há algumas semanas, quando os acontecimentos políticos tunisianos têm gerado discussão e promovido instabilidade no âmbito de um país conhecido, usualmente, por sua riqueza cultural no seio da sociedade islâmica.

O cartaz de “Game over” na imagem acima se refere ao (ex-)presidente Zine El Abidine Ben Ali que deixou o poder depois de mais de vinte anos em que ocupava este cargo – atingido a partir de um golpe de Estado no ano de 1987.

O clima de contestação social domina o país desde o final de 2010 e tem promovido fortes confrontos entre os populares e a segurança tunisiana, especialmente desde o suicídio de um jovem desempregado que provocou comoção nacional. Somam-se a isso as denúncias vazadas pelo Wikileaks a respeito da corrupção por parte de Ben Ali e sua família; bem como os efeitos ainda persistentes da crise financeira internacional no país que abalam sua antiga estabilidade.

Assim, com tamanha pressão popular e a instabilidade dominante, o ditador deixou a Tunísia – declarando estado de emergência – e rumou em busca de asilo político em outros países, mas não sem despertar ainda mais polêmicas (veja aqui e aqui). O primeiro-ministro assumiu o poder de forma interina, sendo que já existem candidatos para as próximas eleições, que devem acontecer em alguns meses.

Tamanha instabilidade percebida em meio à população tunisiana reflete o anseio por mudanças e melhoras nas condições de vida da sociedade, especialmente diante de denúncias tão graves de corrupção por parte de um governo ditatorial. Devem ser lamentadas as mortes advindas dos confrontos internos nas últimas semanas, mas espera-se que o país possa atravessar suas dificuldades e rumar para novos horizontes políticos, econômicos e sociais a partir de esforços conjuntos que reflitam efetivamente uma necessária renovação no que tange ao ativismo árabe diante da repressão de liberdades individuais…


Categorias: África, Conflitos, Polêmica, Política e Política Externa


1 comments
Harley
Harley

Bianca L. Fadel,Já dizia o filosofo Heráclito, bem antes do nascimento de Cristo: "Tudo se transforma, menos a Lei da Transformação".O mundo está em transformação contínua. A globalização é fato consumado. As divisas são fluidas. Desta forma, os países que não se enquadrarem aos valores democráticos dificilmente se manterão neste status.Assim foi a Tunísia, assim será Egito, quem sabe Cuba está mira... e muitos outros.Parabéns pela matéria.Em breve, bem breve, possivelmente comentaremos outros países.Harley