Efeito Gripe Suína

Por

Pois é, minha viagem pra Argentina pegou gripe do porco… Tive de cancelá-la. Ia já na semana que vem, mas o surto da doença me fez mudar de idéia. Aliás, não só a mim, mas a muitos brasileiros. Até as companhias aéras deixaram de cobrar multas, taxas, enfim, pra quem cancelar os bilhetes: reembolso de 100%.

E os meios diplomáticos evidentemente repercutiram as declarações e recomendações do governo brasileiro. Os ministérios do turismo do Chile e da Argentina pediram que o nosso ministro da saúde retirasse o que disse sobre os brasileiros não irem pra lá. Tudo bem que isso afeta nosso vizinhos, uma vez que muito da receita com turismo deles vem de nós. Por outro lado, o surto por lá parece estar maior do que a média, e eles iriam cuidar dos doentes que voltassem de lá, com questionou minha colega Adriana Suzart?

E eles que não se sintam privilegiados, a economia mexicana levou uma porrada da gripe suína. E os EUA, que estão lá por perto, já perderam muita gente por causa da doença.

O Brasil se solidariza até demais com os vizinhos, vamos falar a verdade. Não precisa também querer dividir o ônus dos impactos da doença.

Também temos de levar em conta a questão da mídia nisso tudo. Não confio 100% no que trazem os jornais. O objetivo deles é vender, e muitas vezes aumentar um pouco as coisas vende mais. Liguei pra Argentina pra cancelar o hotel e aproveitei pra saber como estavam as coisas. Disseram que no Brasil tem havido um exagero, e que os maiores focos não estão nem em Buenos Aires, mas nas províncias no norte.

Não sei. Assim como os jornais, eles também estão interessados no meu dinheiro. Então, não podem ser uma fonte 100% confiável.

E como o Brasil já está até com um processo disfarçado de racionamento de remédios, melhor tomar cuidado e não se arriscar a pegar essa gripe, não é? O Ministério da Saúde divulgou novas regras com relação ao tratamento da doença no Brasil, e uma delas é que só receberão o medicamento aqueles que estiverem em estado grave ou sejam do grupo de risco (idosos, crianças etc.).

Não tenho razões pra confiar na saúde pública deste país quando passo em frente a um hospital do SUS. Nesse caso, é melhor previnir do que remediar. Ainda mais quando a segunda opção já não é mais tão uma opção assim…


Categorias: Américas, Brasil