Dois pesos, duas medidas…

Por

“Dois não, quero três!”

Relembrar é viver. A começar pela imagem deste post, ressucitada de um mais antigo do Ivan.

Não sou dos maiores fãs do Hugo Chávez, mas verdade seja dita: não vi o estardalhaço que se faz quando ele quer se eternizar no poder agora que o Uribe já aprovou no Senado da Colômbia sua proposta de ficar mais um mandatinho no Palácio do Nariño (que, aliás, é muito bonito, eu também ia querer ficar um tempinho!).

Aliás, não li nada oficial até agora da Casa Branca, nada daqueles comunicados oficiais ou coletivas de imprensa em que descem o sarrafo no Chávez. Anti democrático, déspota, ditador, populista e muito mais. O Uribe? Esse é dos bão! Combateu o narcotráfico, a população adora o cara, e muito mais. Agora, dos podres dele, ninguém fala muito.

Pra mim existem dois pesos e duas medidas. Não vou entrar aqui em teorias da conspiração, de não querem mais um país socialista no mundo, que os 13 capitalistas mundiais (aqueles que se reunem numa sexta-feira treze de lua cheia num castelo secreto numa pequena vila européia todos os anos devidamente trajados com suas cartolas pretas) querem abafar um projeto bem sucedido contra sua hegemonia, entre outras…

O fato é que os EUA têm muitos interesses na Colômbia. Na Venezuela tem o petróleo, mas eles já têm tomado as devidas medidas para reduzir sua dependência. Além disso, na Colômbia eles têm um forte aliado. Na Venezuela as coisas não são tão fáceis.

E o problema na Colômbia é mais sério: narcotráfico. Tão sério que os Estados Unidos investem uma fortuna todos os anos no tal Plano Colômbia. É daqui da América do Sul que saem as drogas que causam inúmeros problemas lá no irmão no norte.

Por isso, fala-se do Chávez. Do Uribe, não. Ou o Obaminha seria doido de falar mal do Uribe e perder o direito de uso das 7 bases militares?

De qualquer forma, fica a observação: dois pesos e duas medidas. Mas isso, amigos, é normal na Política…

Aliás, sobre reeleições e mandatos infinitos na América Latina, vejam esse especial do Estadão.


Categorias: Américas, Estados Unidos, Mídia


1 comments
Leo.
Leo.

Pessoalmente acho que o Uribe e o Chávez são aqueles opostos num campo circular.Esta estórinha da carochinha de democracias com 3º mandato está mais para a reedição dos governos de caudilhos. Devíamos ter continuado monarquia...