Dia Internacional dos Peacekeepers

Por

 


Manter a paz. Há décadas, quem um dia tivesse imaginado que essa tarefa – que é naturalmente de todos – seria ainda objeto de uma profissão exclusiva certamente visualizou um cenário internacional complexo, em que cooperação e risco à soberania para a restauração da paz se separam por uma linha às vezes tênue, nem sempre muito visível.

Hoje, 29 de maio, é o Dia Internacional dos Peacekeepeers – ou Trabalhadores das Forças de Paz. Uma data instituída pela ONU em 2002 para homenagear aqueles que trabalham dentro do sistema onusiano de manutenção da paz, em missões nas mais diversas partes do mundo e com desafios por vezes tão grandes que podem lhes custar suas próprias vidas. Desde a primeira missão de Peacekeeping (1948, na Palestina), cerca de 3000 mortes de “capacetes azuis” (como são conhecidos, devido à sua identificação pelos capacetes da ONU) foram registradas. O dia de hoje é, portanto, um tributo a estes indivíduos.

Homenageá-los é muito importante, reconhecendo os esforços individuais de atenuação de situações de instabilidade devido a conflitos – situações em que se falar de paz nem sempre é evidente. Esses indivíduos estão, contudo, inseridos em um sistema que frequentemente é muito mais complexo do que seus esforços particulares. Instaurar uma missão para manter a paz é uma prática que só se torna possível a partir do consentimento do Estado afetado, uma vez que as forças da ONU são (ou devem ser) absolutamente imparciais, mas as dificuldades neste processo são muitas vezes inevitáveis.

Torna-se difícil avaliar o histórico de operações sem mencionar as dificuldades e falhas com graves consequências humanas ocorridas neste histórico, especialmente durante a década de 1990. Em relação à proteção de civis, essa década foi marcada por uma “trilogia funesta” – composta pelos casos da Somália, de Ruanda e da Bósnia – a qual traumatizou a comunidade internacional e evidenciou as dificuldades neste processo e, por vezes, a impotência dos Peacekeepers diante de certas circunstâncias.

Com a Agenda da Paz escrita pelo então Secretário-Geral da ONU Boutros Ghali em 1992, pela primeira vez a menção sobre o papel da ONU nestas operações foi apresentada. A recente (e bastante debatida) noção de “Responsabilidade de Proteger” aparece na discussão e a avaliação sobre o uso da força nestas operações com certeza pode ser tema de análise muito mais aprofundada.

Vários elementos tornam essa reflexão certamente muito ampla para um simples post. Mas vale relembrar que vivemos um momento internacional inédito em que o general brasileiro Carlos Alberto dos Santos Cruz foi convidado para a árdua tarefa de liderar a missão de paz na República Democrática do Congo (a segunda maior missão em atividade atualmente).

Restaurar a credibilidade no trabalho de Peacekeeping da ONU no país diante de fortes hostilidades por parte dos rebeldes certamente exigirá muita competência e particular liderança, demonstrando que a profissão de manter a paz existe, sim, e merece o nosso respeito e a nossa homenagem neste dia a ela dedicada. 


Categorias: Conflitos, Defesa, Organizações Internacionais, Paz, Segurança


0 comments