Depardieu… russo?

Por

E 2013 começa com uma ampla discussão internacional no que se refere ao domínio fiscal – os tão temidos impostos. Nas últimas semanas, o ator francês Gérard Depardieu causou polêmica ao protestar contra o aumento dos impostos aos franceses mais ricos. Comprou uma casa na Bélgica (região fronteiriça, veja notícia divertida aqui) e foi acusado de antipatriótico pelo primeiro-ministro francês.

Antipatriótico ou não, fato é que o ator – como muitos outros franceses, aliás – fugiu de um aumento de 75% em taxas sobre rendimentos superiores a 1 milhão de euros (!). Alguns poucos quilômetros além da fronteira, já no lado belga, a mesma taxa para os milionários se reduz para 50%.

No final do ano, o presidente russo Putin entrou na discussão ao propor que, para resolver a questão, o eterno Obélix poderia obter a nacionalidade russa. Na Rússia, a tributação é de apenas 13%, independentemente da renda de seus cidadãos. A princípio levado na brincadeira pela mídia internacional, hoje foi obtida a confirmação de que Putin estava falando sério: Depardieu possui, a partir de agora, também a cidadania russa!

Em carta publicada hoje pela mídia russa, Depardieu afirma que o país também faz parte de sua cultura, já que um dia seu pai foi comunista e ouvia a Rádio Moscou (?!). O comentário alimenta de uma forma talvez jocosa este sério debate sobre a tributação aos mais ricos nos diferentes países do mundo, bem como suas consequências.

Nos Estados Unidos, o reeleito Obama acaba de promulgar (no meio de suas férias) uma lei exatamente sobre a tributação àqueles com renda superior a 400 mil dólares/ano, evitando o chamado “abismo fiscal”. Neste caso, a taxa de imposto de renda sobe de 35% para aproximados 40%, em uma votação agitada que evitou o aumento de impostos a quase todos os contribuintes e fez jus (pelo menos por enquanto) às promessas de Obama de privilegiar a predominante classe média nacional.

Seguindo a lógica de que quem mais ganha mais deve pagar ao Estado, o debate atual sobre austeridade e tributação traz à tona elementos interessantes – dentre os quais um Depardieu russo parece ser o mais inesperado possível…


Categorias: Economia, Estados Unidos, Europa


1 comments
Anonymous
Anonymous

Bianca Fadel,Muito interessante refletir sobre este assunto.