Cúpulas…

Por

A América Latina vai ganhar mais um fórum de discussão. Esse organismo vai substituir o Grupo do Rio e a Cúpula da América Latina e o Caribe sobre Integração e Desenvolvimento (CALC). Afinal, quantos âmbitos diplomáticos existem na região?

 

– Organização dos Estados Americanos – OEA 

– Organização do Tratado de Cooperação Amazônica – OCTA 

Associação Latino-Americana de Integração – ALADI 

Mercado Comum do Sul – MERCOSUL 

União de Nações Sul-Americanas – UNASUL 

Foro de Cooperação América Latina – Ásia do Leste – FOCALAL 

Cúpula das Américas 

– Conferência Ibero-Americana 

Grupo do Rio 

Cúpula América do Sul – Países Árabes 

– Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul 

– Comunidade Andina de Nações (CAN) 

Parlatino 

– Cúpula entre Chefes de Estado e de Governo da América Latina e Caribe e da União Européia 

– Comunidade do Caribe (CARICOM) 

 

Ufa! E eu negligenciei várias, sendo que na estrutura de boa parte dessas organizações há sub-comitês que tratam dos mesmos temas. Essa proliferação de órgãos reflete, de um lado, a necessidade da região em negociar com outros blocos, e do outro, a prolixidade de estruturas que, no fim das contas, pouco ou nada resolvem.  

 

O Brasil está presente em todas, como membro pleno (aquele que participa da organização votando), ou observador (que não possui direito a voto). É parte da política externa do governo Lula, que preza pelo multilateralismo e almeja a liderança brasileira na região. Até proposta de moeda comum já foi aclamada no âmbito do MERCOSUL, e nem a união aduaneira ainda existe. 

 

Dessa vez, a idéia é criar um organismo que seja “uma nova OEA sem os EUA”, nas palavras de Morales. A vontade de criar um ambiente uníssono nas muitas vozes latina até levantou apoio às pretensões argentinas nas Malvinas. Quanto acordo e um inimigo comum!  

Apesar do levante contra-hegemônico, que tipo de caráter esse bloco (e outros já existentes) teria? Seria o de desacordo com a ordem vigente pela simples existência? Há real poder de barganha? Ou seria mais um palco para proclames aleatórios e desvio da atenção para problemas externos? Que problemas comuns eles realmente resolvem? 

 


Categorias: Américas, Brasil, Estados Unidos, Organizações Internacionais, Política e Política Externa