Conversando com a Teoria

Por

Que entre o Neorrealismo!

No último post tratamos da primeira obra de Kenneth Waltz. Dissemos que ela estabelecia as bases para uma atualização de um realismo que lentamente caminhava pelo pântano do descrédito. Essas bases viriam a sustentar uma nova versão da teoria realista, publicada mais de 20 anos depois, no livro “Teoria da Política Internacional” (do inglês, “Theory of International Politics”), cujo objetivo era ser mais científica e fundamentada que as demais.

Ao averiguar que a base científica das teorias de política internacional até o momento era fraca, Waltz definiu um caminho para que se obtenha uma teoria satisfatória e buscou trazer um modelo que seguisse essa cientificidade. Para tanto, o primeiro passo seria necessário desenvolver uma construção intelectual que parta da identificação de um domínio estudado como isolado dos demais. A partir daí, grosso modo, seria preciso deixar de lado todas as outras questões que não são centrais para a teoria, estabelecer algumas relações entre os elementos que se selecionou e exercer a criatividade para criar um modelo ideal.

Para entendermos em termos concretos, vamos à própria política internacional. Sabe-se que na realidade, a política, a economia, a cultura e a história são elementos inseparáveis. Todavia, para o autor, uma teoria da política internacional de grande potencial explicativo seria aquela capaz de identificar a excentricidade, a diferença ou a característica determinante dessa área. E o cerne, o fator que caracterizaria e possibilitaria pensar o sistema da política internacional como um todo, seria a “estrutura política”.

Esse é o conceito-chave do neorrealismo waltziano, também conhecido como realismo estrutural. Mas o que seria essa tal estrutura? Bom, é um conceito não-concreto que se baseia em dois elementos, a distribuição de capacidades entre as unidades e um princípio ordenador. Pensemos no mercado como analogia. Primeiro, as pessoas ao interagirem comercialmente, o criaram. Logo menos, não tinham mais controle sobre ele, passando a sofrer influências e pressões dele emergentes. Para outra analogia poderíamos pensar em uma estrutura metálica de uma construção. Ela fornece as bases e, paralelamente, impede que as paredes, o teto e os cômodos saiam do lugar; em outras palavras, exerce uma “constrição”.

Assim funciona a estrutura na política internacional. Em um ambiente de anarquia (princípio ordenador), as interações entre os Estados (unidades do sistema), com capacidades diferentes (poderio econômico e militar) vivem sob uma estrutura que atua como uma espécie de força que limita e constringe a ação das unidades no plano internacional. Por que o Brasil tem tanta dificuldade de consolidar sua candidatura ao Conselho de Segurança da ONU? Por que a reforma dos organismos internacionais é tão difícil? A estrutura talvez ofereça uma interessante resposta para essas perguntas.

Esse conceito seria definido por esses dois elementos centrais, o princípio ordenador, no caso a anarquia, e a distribuição de capacidades, que gera uma força limitante na atuação dos Estados. Se a tal distribuição de capacidades for alterada, o sistema pode até mudar de característica (um exemplo é o fim da Guerra Fria, deixando de ser bipolar para ser unipolar), mas a estrutura continuará existindo, em todo o seu esplendor, constringindo e limitando a atuação dos países no plano internacional. Bom, como já se pode ver por outras obras do autor, o nível do sistema internacional é muito valorizado por ele para analisar a política. Waltz introduz o mundo ao neorrealismo e abre novas portas para formas de análise, garantindo força e vitalidade para o realismo. Até a próxima semana!

[Para uma interessante entrevista com Waltz sobre sua teoria, clique aqui]


Categorias: Conversando com a Teoria


3 comments
Ricardo-SP
Ricardo-SP

Parabéns Raphael. Você tem dado verdadeiras aulas de Teoria das RI, em brilhantes articualações com a política internacional propriamente dita. Capacidade de articulação essa que, diga-se, é débil em boa parte dos professores de nossa amada RI.

Raphael Lima
Raphael Lima

Obrigado pelos elogios. A teoria de Waltz é bem cativante tanto do ponto de vista de sua construção intelectual quanto por sua metodologia. Até a próxima semana!

Anonymous
Anonymous

Prezado Raphael,Parabéns pela maravilhosa analise e conceituação.E, até a próxima semana,....