Como caminha o mundo…

Por

Quem ainda se lembra de Zelaya, presidente deposto de Honduras por um suposto golpe militar no ano passado? Provavelmente todos, mas para ter certeza de que ninguém irá esquecê-lo, ele voltou à tona: sem o menor pudor, agora culpa os Estados Unidos pelo golpe e quer porque quer voltar ao país, sustentando um discurso de que apenas a convocação de uma Constituinte pode conduzir a uma nova concertação política. Em outras palavras, ele quer voltar a ser presidente. O atual governo hondurenho não gosta nada dessa idéia e muito menos do “intervencionismo” de Chávez – que considerava Zelaya um importante aliado na disseminação de seu projeto bolivariano, a ALBA, pela América Central -, recusando o reconhecimento de Porfírio Lobo como o presidente legítimo do país.

E a Coréia do Norte? O país acabou de se safar da acusação de ter cometido um ato terrorista contra o navio sul-coreano em março e agora cuida da situação interna, mais especificamente da sucessão de Kim Jong-il. Recentemente, o seu filho, Kim Jong-un, foi eleito para a Assembléia Popular Suprema, o Parlamento norte-coreano. Mal foi eleito e já se começa a ensinar canções sobre o “Kimzinho” nas escolas primárias do país.

O Oriente Médio, outra vez mais, avança para o futuro. O chanceler israelense, Avigdor Lieberman, decretou que não há a possibilidade para se criar um Estado palestino até 2012, meta fixada pelos negociadores internacionais. Não bastasse negar isso, ainda foi sarcástico ao dizer que é uma previsão otimista tal negação. Os Estados Unidos colecionam mais uma frustração, já que haviam enviado um representante do governo, George Mitchell, para avançar nas negociações com os israelenses e então se depararam com o imoblismo de Israel.

Os norte-americanos colecionam também mais frustrações no Afeganistão (vejam o também o post do Raphael). A luta contra o Taleban deve se intensificar. O general David Petraeus, substituto de McChrystal, anunciou o recrudescimento das iniciativas contra os insurgentes, prorrogando uma guerra invencível. Por outro lado, dentro do seu território, os Estados Unidos obtiveram um sucesso, ou melhor, puderam matar as saudades dos idos tempos da Guerra Fria e dos filmes de James Bond: prenderam dez espiões russos no país. Tal questão obviamente está gerando um incidente diplomático. A Rússia já considerou essa acusação infundada.

Com tantos embaraços, o mundo caminha pesado, o que muitas vezes impede o seu progresso. Talvez por isso desenvolva os movimentos de rotação e transação, de modo a mudar as estações, meses, dias, horas, segundos, mas continua descrevendo a mesma órbita, deixando muitas coisas no mesmo lugar…


Categorias: Américas, Ásia e Oceania, Estados Unidos, Oriente Médio e Mundo Islâmico