Crise institucional?

Por

150305183207_venezuela_inflation_624x351_ap

Emitir opinião sobre a crise venezuelana é como escolher entre pular na frigideira ou no fogo. Críticas ao governo serão recebidas como subserviência ao imperialismo e ao capital. Defender o governo é visto como esquerdismo cego e ignorância de violações a direitos humanos e políticos. Como tudo na vida, o extremismo prejudica a análise, então que tal tentarmos uma análise mais ampla?

Quais os problemas da Venezuela? Basicamente, hiperinflação (quase 70% ao ano, a maior do mundo), câmbio desvalorizado (e caótico, com mercados oficial, paralelo e negro) e um problema grave de abastecimento (de papel higiênico a preservativos). A oposição bota a culpa no governo. O governo, na oposição e em uma possível conspiração internacional. Como é de se esperar, os dois lados tem sua parcela de culpa. De fato, o governo parece ser o maior responsável – mais do que a falta de carisma ou liderança de Maduro, a herança do bolivarianismo de promover benefícios sociais e controle estatal dos fatores produtivos está finalmente tendo seu preço com fuga de capital e escassez de bens de consumo (exemplos não faltam na história comprovando o efeito desse tipo de medida) em uma economia dependente de exportação de commodities. Sem contar o problema da corrupção e gerenciamento inadequado. Por outro lado, parte da oposição provavelmente quer se valer do desgoverno para alcançar objetivos políticos – a única solução para Maduro agora seria fazer as pazes com o setor privado, mas parte dele aparentemente se recusa a negociar com o governo.

O resultado dessa rixa é uma oposição ativa (lembrando que Maduro foi eleito por uma margem estreita de votos) e protestos que levam a uma reação violenta do governo há mais de um ano. Aqui não tem como negar a culpa de Caracas – por mais que os supostos “inimigos do regime” (uma expressão que geralmente não aparece em democracias) estejam conspirando para derrubar governos e criar instabilidade, não é correto ou aceitável a supressão de direitos, prisões arbitrárias ou a morte de manifestantes em confrontos desiguais com forças públicas. Sem uma imprensa que não seja governista, fica difícil contestar a visão do governo sem recorrer aos testemunhos dos próprios opositores, que relatam histórias de perseguição e intolerância.

E eis então que os EUA entram na parada. Criticando veementemente essas violações, na semana passada Obama autorizou sanções contra autoridades venezuelanas. Isso apenas esquenta as discussões, com o ultraje por uma “intervenção” norte-americana em assuntos domésticos. Esse tema vai longe, com a questão da soberania e da suposta “responsabilidade” internacional em defender direitos humanos. Mas vamos nos limitar ao seguinte fato: os EUA são o maior parceiro comercial da Venezuela, e a Venezuela é um dos maiores exportadores de petróleo para o Tio Sam. O interesse norte-americano parece bem claro: estabilidade na Venezuela significa suprimento de petróleo. E para a Venezuela é mais importante ainda a manutenção de boas relações com Washington. Por isso, de certo modo os EUA exageram com as sanções – isso realmente trará estabilidade? Ao mesmo tempo, a resposta de Maduro, que obteve autorização do parlamento para governar por decreto em situações de segurança nacional comprometida (um critério vago, que pode incluir de uma invasão dos EUA ao combate de protestos) gera um desbalanço institucional completo, com a hipertrofia do executivo, um legislativo acuado e o judiciário nas mãos do governo. Para um governo que se defende como uma democracia por conta das eleições e da representatividade, pouco se vê do equilíbrio de poderes.

Interesses egoístas, gerenciamento ineficiente, influência externa desastrosa… a crise venezuelana não prece ter um fim tão próximo. Mas independentemente da responsabilidade (que não pode de modo algum ser creditada a um ou a outro sem ignorar uma complexa cadeia de problemas), quem paga a conta é bem sabido, nas filas dos mercados e sofrendo bordoadas da polícia nos protestos.


Categorias: Américas, Economia, Polêmica, Política e Política Externa


A desumanidade nossa de cada dia

Por

Broimp

 

A selvageria das execuções do grupo Estado Islâmico chama a atenção do mundo. Quando decapitações (nenhuma exclusividade deles, a propósito) não eram chocantes o suficiente, a imolação do piloto jordaniano causa comoção e uma reação de países ocidentais clamando pelo confronto ao grupo e da Jordânia executando terroristas convictos prisioneiros (mesmo não tendo, a rigor, nada a ver com o ISIS). É a improdutiva lei de Talião, pura e simples.

Por que isso chocou tanto? Na história da humanidade, se existe uma coisa que o ser humano demonstra saber fazer muito bem é matar uns aos outros. Decapitações são até benevolentes quando comparados a outros métodos de execução, e mesmo queimar gente viva não parece tão cruel. Entre outros, por exemplo, destaco o “necklacing” africano (em que um pneu cheio de óleo é colocado ao redor de uma pessoa e ateado fogo para que queime lentamente), a morte por animais selvagens nas arenas romanas, fervura (com a pessoa mergulhada em óleo ou água fervente e virando um pastel humano), evisceração (arrancar órgãos de pessoas vivas, especialmente o coração), empalação (atravessar com uma estaca de baixo para cima, famosa por conta de um certo Vlad Tepes, o lorde romeno que inspirou o Drácula de Bram Stoker) e, possivelmente o mais aterrador, aquele chamado escafismo, praticado pelos persas (em que uma pessoa é largada em um barco, besuntada em mel e nos próprios dejetos, para que seja devorada por aves, insetos e vermes num suplício que duraria mais de uma semana).

Isso serve para aliviar a barra dos radicais? De modo algum. Mas por que causa tanta indignação? Polícias do mundo todo cometem atos de tortura que, se não causam a morte, são tão dolorosos ou degradantes quanto os mencionados. Prisioneiros em campos de concentração nazistas passaram por horrores indescritíveis antes das câmaras de gás. Pessoas pobres sofrem privações e fome que são uma violência inadmissível no século XXI. O problema em si não é o modo como as execuções ocorrem, mas como são divulgadas. A tortura policial ocorre às escondidas. A tortura nazista é parte dos livros de história e da memória dos sobreviventes (apesar de ser uma das causas para o fortalecimentos dos regimes de Direitos Humanos, inegavelmente). Os miseráveis são “invisíveis” nas periferias e sarjetas. Mas as mortes do ISIS? Circulam pela internet e fazem parte do cotidiano do noticiário. É claro que o ultraje resultante é maior.

Geralmente, a morte como pena serve como punição exemplar. Lembrem da casa do Tiradentes sendo demolida e o terreno salgado, para humilhar sua descendência e mostrar para o resto do povo como seria ruim se revoltar contra a Coroa de novo. As mortes do ISIS seguem esse padrão de mensagem? Aparentemente, nem tanto. “Aceitem nossas condições, libertem nossos colegas, reconheçam nosso califado, senão…”.

Não importa como a morte ocorre – poderia ser um fuzilamento, enforcamento, o que importa é a ideia de haver pessoas sendo mortas como uma moeda de barganha com a comunidade internacional. Em menor escala, é o que ocorre quando países negociam a troca de espiões capturados ou cidadãos presos – mas sem que, geralmente, essas vidas estejam em risco. Mesmo quando são pessoas condenadas à morte, como no recente caso dos brasileiros presos na Indonésia, a causa da pena capital é relacionada ao próprio indivíduo, não sendo uma ameaça a seus Estados de origem. O caso do ISIS é inovador no sentido que praticamente está havendo uma negociação de sequestro internacional com um grupo que almeja se tornar um Estado, quebrando todas as “regras” que os próprios Estados seguem, e que de maneira indireta consegue um pouco de sua intenção justamente pelo reconhecimento recebido e a importância que a questão consegue na política e mídia internacionais. O emprego de métodos não-convencionais e chocantes é apenas uma ferramenta, e não o objetivo da execução em si.

Mortes horríveis, vidas desperdiçadas de todos os lados. Mais que a obtenção de resultados políticos, o caso das execuções do ISIS reforça, uma vez mais, o velho argumento realista de que o ser humano, em geral, não presta mesmo.


Categorias: Ásia e Oceania, Cultura, Direitos Humanos, Mídia, Oriente Médio e Mundo Islâmico, Polêmica


Falando em corrupção…

Por

Filipinas

O ano de 2015 começa para o Papa Francisco em uma importante viagem ao continente asiático, passando pelo Sri Lanka e pelas Filipinas. Depois de ter visitado o Sri Lanka e canonizado o primeiro santo do país, beato Joseph Vaz, hoje o Papa fez seu primeiro discurso desde a chegada às Filipinas, criticando principalmente a corrupção que vem sendo denunciada no país.

As Filipinas se situam em uma zona geográfica especialmente sensível, constantemente sujeita a tufões, ciclones e tsunamis, ainda mais em um contexto de mudanças climáticas em que as pessoas se encontram cada dia mais vulneráveis. No final de 2014, o país enfrentou o tufão Hagupit/Ruby, que havia sido previsto inicialmente com ventos de aproximadamente 300 quilômetros por hora, em região próxima àquela que foi atingida, no final de 2013 pelo tufão Haiyan/Yolanda que levou consigo a vida de pelo menos sete mil pessoas.

Se a força da natureza não pode ser controlada, os meios para reduzir o impacto de seus danos na vida das pessoas pode (e deve) ser tema de discussão de governos e da população civil. Esforços de prevenção se mostram, invariavelmente, muito mais eficazes que medidas para remediar os danos já causados.

Para tanto, deve haver engajamento político e planejamento estratégico de longo prazo, evitando esforços duplicados e falta de coordenação local. Se hoje em dia contamos com tecnologia suficiente para prever a chegada de eventos naturais tal como tufões com tempo hábil para a tomada das medidas necessárias, não existe explicação razoável para um desastre de grandes proporções que não envolva a falta de vontade política em trabalhar para que ele não aconteça.

Por outro lado, após a ocorrência de uma tragédia de grandes proporções como em que a mobilização internacional como o tufão Haiyan/Yolanda em 2013, chocantes foram as denúncias de que apenas aproximados 20% dos recursos alocados (em montante que soma milhões de dólares) teria sido alocado pela Defesa Civil do país em benefício das vítimas até setembro do ano passado, nove meses depois do desastre. Esta situação demonstra o despreparo/desinteresse de um governo diante de um quadro em que, além dos feridos e das vítimas fatais, centenas de milhares de pessoas se veem desabrigadas e absolutamente vulneráveis a novos desastres.

Pregando o diálogo entre os povos e a importância da união, a sétima viagem internacional do Papa Francisco está sendo também marcada por uma enfática crítica à desigualdade, à corrupção e aos desvios de verbas. Dada a gravidade do problema e, principalmente, das consequências para as pessoas mais pobres e suscetíveis a desastres, esperemos que o tema não seja exclusivamente parte de discursos, mas sim da prática dos governos…


Categorias: Ásia e Oceania, Meio Ambiente, Polêmica


Imagem da Semana

Por

Wherearethey

E a imagem da última semana de 2014 não poderia ser mais triste e ao mesmo tempo intrigante. No ano em que já havia sido registrada a queda de dois voos da companhia Malaysia Airlines, mais uma tragédia aérea foi registrada.

O avião da companhia AirAsia Indonésia (filiada à companhia malaia AirAsia) caiu no trajeto entre a Indonésia e Cingapura, com 162 pessoas a bordo. Destroços do avião e corpos de vítimas estão sendo encontrados na região, sendo que condições meteorológicas e falhas de autorização se enquadram, até o momento, como elementos que podem explicar o motivo da queda, ainda incerto.

A imagem acima, idealizada por artista na praia de Golden Sea, na Índia, faz alusão específica também ao voo MH370, sem dúvida a catástrofe mais misteriosa do ano passado: em março, o avião simplesmente desapareceu no trajeto entre Kuala Lumpur e Pequim com 239 pessoas a bordo sem que, até o momento, nada tenha sido localizado ou explicado. Além disso, em julho, o voo MH17 também da companhia Malaysia Airlines foi abatido ao sobrevoar área de guerra entre Rússia e Ucrânia, vitimando 298 pessoas. Tristes tragédias que marcaram o ano de 2014, infelizmente…


Reconhecer o problema

Por

98630_600

O sistema internacional é como um clube. Pelo menos, quando pensamos em Estados. Para que aquela unidade política seja aceita entre os demais, não basta cumprir alguns requisitos próprios, mas ser aceito pelos “colegas”. Quando pensamos no tal Estado Islâmico, por exemplo, mesmo que consigam eventualmente assegurar um território e um governo, provavelmente jamais serão reconhecidos pela comunidade internacional por conta das atrocidades cometidas para chegar a essa situação. Por isso causa muita euforia a notícia de que parlamentos de países europeus (um dos últimos focos de resistência ao movimento) estão debatendo sobre leis para reconhecer o status de Estado para a Palestina – a Suécia mesmo já passou por cima disso e se tornou o primeiro Estado do continente a fazer isso há algum tempo. O caso mais recente foi uma votação simbólica no parlamento da França, mas algo parecido já ocorre na Inglaterra e Espanha.

O que isso tudo significa? Por mais que a aceitação internacional crescente signifique uma pressão enorme pela resolução pacífica, não representa necessariamente uma possibilidade de fim das hostilidades com Israel. O problema reside em dois pontos. Primeiro, a tendência é de endurecimento em Israel, com a consolidação de radicais e a possibilidade de uma legislação que tornaria o estado ligado à religião. Segundo, o reconhecimento do Estado Palestino como tal reduz a possibilidade de funcionar uma solução que é possivelmente uma das mais vantajosas, a de um Estado único.

Quanto ao primeiro ponto, o premiê Netanyahu demitiu nesta semana membros moderados do governo e dissolveu a coligação, fazendo com que fosse necessária uma eleição em 2015. A tendência é que se mantenha no poder, com uma frente de partidos nacionalistas e religiosos. O grande temor é a aprovação de uma lei que define o país como uma pátria de judeus, o que implicitamente criaria uma diferenciação entre cidadãos – e marginalizando, por exemplo, os de origem árabe. Esse tipo de política radical reflete o fortalecimento do movimento conservador no país, e é um claro empecilho às negociações de paz. Mais que isolar o país politicamente, essa medida pode ser usada como munição para países árabes levarem um projeto de resolução no Conselho de Segurança da ONU pedindo o fim das ocupações israelenses – que causará dano político de maneira inegável, sendo vetado ou não. Ao mesmo tempo, Israel está fortalecido no cenário regional, e o impacto destas políticas é uma incógnita.

Já no segundo ponto, se não impeditivo, o reconhecimento do Estado Palestino atrapalha um dos planos mais sensatos que une intelectuais de ambos os lados do conflito, que seria a solução de um Estado com as fronteiras pré-1967 e um governo conjunto. Basicamente, reconhecer a Palestina como Estado independente significa que a comunidade internacional nas entrelinhas não vê a solução de um Estado unificado como viável, ao mesmo tempo em que se configura como uma solução que contempla a maior parte dos interesses envolvidos, com o controle de territórios em disputa e a livre circulação de cidadãos.

Como sempre, apesar do clichê, o destino da crise entre palestinos e israelenses fica ao sabor de desenvolvimentos futuros, mas como o quadro se configura hoje, uma solução ainda é impensável.


Categorias: Conflitos, Europa, Oriente Médio e Mundo Islâmico, Polêmica, Política e Política Externa


A injustiça recorrente

Por

Rioting erupts in Ferguson, Missouri after police involved shooting of an unarmed teen

O enredo é conhecido, bem como o desfecho. Periferia de um centro urbano, jovem negro abordado pela polícia, algo sai muito errado. Os policiais atiram contra o suspeito, que acaba morrendo. Na versão oficial, era alguém perigoso, que reagiu e foi alvejado por resistir à voz de prisão. Segundo a família e conhecidos, era uma pessoa de ficha limpa, honesta, que se tornou a mais nova vítima de uma polícia despreparada. A indignação na comunidade explode rapidamente, com protestos nas ruas, pneus queimados para interromper o trânsito e as forças policiais são mais uma vez enviadas para conter a turba. Enquanto parte dos manifestantes aproveita a baderna para promover quebra-quebras, destruir vidraças e saquear lojas, a polícia reprime com violência desproporcional parte das manifestações, o que gera indignação na mídia local e internacional. Quando as coisas parecem esfriar, os policiais envolvidos na morte são absolvidos em júri popular e mais uma vez a tensão cresce, com a população indignada pelo fato de que as acusações parecem distantes da realidade.

Brasil? Poderia muito bem ser uma manchete daqueles programas de fim de tarde, mas é exatamente o que está acontecendo nos Estados Unidos, por conta da morte de Michael Brown, o jovem em questão. Durante a semana, até a Guarda Nacional foi enviada à antes pacata cidade de Ferguson para conter os distúrbios. Se o caso mostra que a truculência e despreparo policial para lidar com multidões, bem como a violência policial injustificada contra inocentes não são exclusividade tupiniquim (na verdade, parece ser a regra para o mundo todo), também serve de alerta para uma realidade de exclusão e preconceito ainda latente em um país que mantinha leis segregacionistas até o século passado.

Mais que o ultraje pela morte do inocente, percebe-se uma campanha de demonização da vitima. Mesmo que não fosse mal-intencionada, a culpa é sempre do que resistiu ou não obedeceu a ordens da lei. Provas e depoimentos inconsistentes, canais de notícias veiculando fatos enganosos ou pouco confiáveis sobre Brown, tudo leva a crer que a criação da imagem de um “vilão” para justificar a força letal é símbolo de um racismo que ainda possui grande apelo, mesmo que inconsciente, naquela sociedade.

Há pouco tempo também causou grande comoção a morte de Trayvon Martin, morto em circunstâncias parecidas. O caso de Brown causa mais comoção pelo fato de que alia ao racismo o elemento da injustiça pelo modo ambíguo com que o julgamento dos acusados está sendo conduzido. Mas nesta semana mesmo temos um novo candidato a caso de comoção nacional, com um elemento ainda maior de tragédia por se tratar de uma criança. Apesar de ser uma situação delicada (o menino estaria com uma réplica de arma de fogo ameaçando pessoas numa praça) um vídeo de segurança que capturou a ação mostra que os policiais atiram segundos após chegarem ao local – enquanto segundo a versão oficial teriam dado voz de prisão e apenas atirado quando o menino (mais uma vez) resistiu. Do modo como esse tipo de evento é retratado, fica difícil saber em que ponto terminam os fatos e começam as desculpas, e até mesmo se o menino efetivamente estava ameaçando as pessoas ou apenas brincando de uma maneira pouco saudável.

Dúvidas à parte, fica a certeza de que continuarão a ocorrer muitos fatos semelhantes pelo mundo afora, com jovens negros e pobres “resistindo” à voz de prisão e terminando estirados em calçadas. Mas aqui fica marcada a grande diferença disso para o Brasil – enquanto por aqui essas mortes são até comemoradas e os protestos ficam limitados à região ou bairro onde ocorreu o assassinato, nos EUA a onda de protestos contra o ultraje policial e legal está se alastrando por diversas cidades e terá um impacto social muito maior.


Categorias: Direitos Humanos, Estados Unidos, Mídia, Polêmica


Ambiente inóspito

Por

999a3f73e5ca1c24600f6a706700c7d5

Quem navega a internet sabe que a Austrália é famosa pela fauna bizarra e letal, inglês com sotaque e gírias indecifráveis e por usarem as cores do Brasil nos esportes apesar de sua bandeira ser azul e vermelha. Nesta semana, o país vem ao noticiário com notícias bem chamativas – e polêmicas.

Primeiro, foi o primeiro país a fechar oficialmente as portas a cidadãos do oeste africano afetados pela epidemia de ebola. A medida, com a intenção de evitar o contágio do vírus no país, é polêmica pois vai contra instruções da própria OMS (Organização Mundial de Saúde) e os fatos – apesar do pânico, o número de pessoas infectadas fora da África não chega a uma dezena. A paranoia deu certo (como mostrou bem o caso suspeito que mobilizou o Brasil há umas duas semanas), e quase todos os países estão tomando medidas preventivas e de isolamento satisfatórias quando há suspeitas. A chance de uma epidemia em outros continentes é remota. E negar vistos é considerada uma atitude grave no cenário internacional – claro que os países podem escolher quem pode ou não entrar, mas na maioria, desde que tenha o visto, a circulação de pessoas é livre. Negar esse direito equivale à privação de um direito universal, e definitivamente não é uma medida que ajuda na luta contra a epidemia, pois significa que o envio de pessoal australiano para ajudar nas áreas afetadas (onde números oficiais contam mais de 5 mil mortos mas estimativas chegam a quatro vezes mais) também fica proibido.

Segundo, o país está endurecendo leis contra terrorismo. Pode parecer uma coisa positiva, mas a exemplo do Ato Patriota de Bush há acusações de ser uma justificativa para ameaçar direitos civis, discriminar indivíduos de religiões específicas e “imunidade civil” para agentes da lei – o que poderia liberar geral, por exemplo, a prática de tortura, à sombra do Estado. Desnecessário dizer que isso revoltou defensores de direitos civis e organizações islâmicas pelo mundo. Isso vem no momento em que a Austrália se junta à coalizão internacional contra o ISIS, e a medida que tem como objetivo “proteger” o país pode ter o efeito oposto, trazendo atenção internacional e ódio daqueles a que se dirige. Basta ver o que aconteceu no Canadá semana passada para entender que não é nada impossível uma ação desta natureza em um país aparentemente pacífico e longe da carnificina do Oriente Médio.

Essas duas notícias mostram um pouco de intransigência – o governo conservador do premiê Tony Abbott mostra claramente que, em momentos de crise, uma guinada conservadora pode ser a medida considerada mais segura pelos governos para preservar sua integridade. Porém, os resultados são os mais adversos possíveis.


Categorias: África, Ásia e Oceania, Direitos Humanos, Organizações Internacionais, Polêmica, Política e Política Externa


Há um ano...

Por

Há um ano

Há um ano, três assuntos principais eram destaque na nossa Página Internacional.

Um dos assuntos envolvia a possibilidade de que o mundo presenciasse, pela primeira vez, um “calote histórico” da dívida pública nos Estados Unidos, pois o Tesouro estava à beira de um colapso, sem acordo e sem recursos para cumprir seus pagamentos ao mercado financeiro. Aos 45 minutos do segundo tempo, na data limite, o acordo passou pelo Congresso estadunidense e foi assinado por Obama, evitando o default do país. Apesar disso, o abalo econômico foi expressivo; e democratas e republicanos seguem no embate que envolve principalmente a reforma de saúde do governo democrata (“Obamacare”), ainda profundamente criticada pela oposição

Outro tema à época envolvia o Prêmio Nobel da Paz, cuja subjetividade leva à premiação de Obama (2009) ou União Europeia (2012)… se no ano passado a aposta na menina paquistanesa Malala foi frustrada com o prêmio sendo destinado à Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq), em 2014 o comitê organizador, com um pouco de atraso, agraciou Malala Yusafzai, juntamente com o ativista indiano Kailash Satyarthi. Malala, com o seu grande exemplo, apesar de seus apenas 17 anos, se tornou a pessoa mais jovem a ganhar um Prêmio Nobel na história.

Por fim, há um ano o que chamou a atenção mundial foi o anúncio de que a Organização das Nações Unidas (ONU) está sendo processada (!) pela população do Haiti, por meio do Instituto para a Justiça e democracia no Haiti (IJDH), devido à epidemia de cólera que se alastrou no país em 2010 por meio por integrantes das tropas de paz da ONU vindos do Nepal em missão ao Haiti. A doença havia sido erradicada no país há mais de um século, porém, desde 2010, mais de 700.000 pessoas foram infectadas, com mais de 8.500 casos fatais.

Dada a peculiaridade do tema, o assunto se reveste de um teor político sensível, pois as vítimas de cólera não foram compensadas e a ONU, por sua própria natureza, possui teoricamente imunidade internacional. Contudo, o tema segue em aberto e há poucos dias um juiz de Nova York decretou audiçõespara este mês durante as quais será discutido se a ONU pode ou não responder em tribunal neste tipo de situação. A ver se, em um ano, o assunto já terá sido resolvido nas instâncias correspondentes…

Postando e relembrando, este é o “Há um ano…” na nossa Página Internacional!


Categorias: Estados Unidos, Há um ano..., Organizações Internacionais, Polêmica


Sobre nossas cabeças

Por

size_810_16_9_nave-x37b

Nesta semana, causou um certo rebuliço na comunidade cientifica a notícia do retorno de uma missão espacial secreta dos EUA. A espaçonave retornável X-37B, um veículo de teste orbital não tripulado, esteve voando (na verdade, caindo – uma órbita planetária é basicamente uma queda sem fim em direção à curvatura do planeta) em torno da Terra, pasmem, desde 2012. Após 22 meses, seu retorno levanta uma série de questões sobre a sua misteriosa finalidade.

Há satélites que passam muito mais tempo, é claro. Mas eles são feitos para ficarem na sua órbita até o fim de sua vida útil (ou trombarem com qualquer coisa) e virarem lixo espacial. Um veículo que vai para o espaço, fica mais de um ano em órbita e volta há de ter alguma particularidade. Seria apenas uma missão de teste da viabilidade do novo veículo, mas por que não ser feito pela agência civil, a NASA? Aí que começa a especulação, que vai de espionagem a possibilidades mais estarrecedoras, como uma plataforma de armas de alcance inigualável.

Devemos lembrar que existe uma convenção internacional para o uso do espaço. De 1967, o Tratado do Espaço Exterior surgiu no auge da corrida espacial entre EUA e URSS, e serviu principalmente para definir de quem era a culpa quando uma nave ou satélite artificial caísse na Terra, e seu ponto mais famoso, o de proibir o emprego de armas nucleares e de testes dos mesmos além da nossa atmosfera. Mas não diz nada sobre armas convencionais – tanto que nos anos 80 os EUA tiveram seu sonho de projeto Guerra nas Estrelas, com lasers interceptadores de mísseis e tudo mais.

A implicação de um projeto dessa natureza é enorme em termos de estratégia – SE for de aplicação puramente militar, claro. A utilidade dos satélites espiões já é reconhecida, mas uma plataforma móvel, capaz de com ajustes de rota se posicionar sobre quase qualquer lugar do globo, fora do alcance de qualquer sistema de defesa… seria uma nova etapa na capacidade de dissuasão. Na verdade, um salto sem precedentes desde a implementação da tecnologia nuclear. Mesmo pensando em termos mais realistas, como um veículo sub-orbital, capaz de realizar suas missões viajando além da atmosfera, já seria algo preocupante para quem não dispusesse dessa tecnologia.

Porém, há pelo menos duas considerações importantes. A primeira é que, independentemente do uso, provavelmente apenas os EUA vão dispor desse luxo por um longo tempo. Programas espaciais são caros, e por mais dinheiro e mentes que o país tenha dedicados a isso (veja China ou Índia) demora muito para alcançar um grau de excelência nessa área. Ou seja, mesmo que seja uma inovação assombrosa, se apenas os EUA vão dispor disso, literalmente nada vai mudar em termos geoestratégicos. Simples assim. A segunda, um pouco mais sensata, seria de que não se trata de um projeto puramente militar. Muitas das inovações da vida comum, do forno micro-ondas à meia de lycra vieram de novidades militares. A exploração espacial moderna parece rumar para o caminho das empresas privadas, mas a pesquisa estatal não deixa de ser uma opção. Devemos lembrar que boa parte dos astronautas são militares, então não é nada inédito que possa estar havendo uma cooperação entre as agências.

Não sei se no futuro haverá guerras espetaculares com bombardeios orbitais fazendo chover destruição, mas a navegação espacial é uma realidade e, acima de tudo, uma necessidade para o ser humano. Qualquer avanço nessa área deve ser comemorado, e a capacidade de colocar um veículo em órbita e recuperá-lo inteiro mais de um ano depois é algo mais que notável.


Categorias: Estados Unidos, Polêmica, Segurança


E lá vai o Evo…

Por

Evo
E não é apenas o Brasil se encontra em ano decisivo de escolha presidencial: também nossa vizinha Bolívia esteve hoje em dia de votações para presidente, senadores e deputados. Contudo, ao contrário das inesperadas reviravoltas em território brasileiro, o pleito boliviano se passou com certa tranquilidade – pesquisas indicam vitória de Evo Morales no primeiro turno.

Possivelmente com aproximados 60% dos votos, temos um Evo que vai garantindo um terceiro mandato, até 2020, à revelia do que antes se previa na própria Constituição do país. Com um perfil, no mínimo, polêmico, considerado “autoritarismo populista e pragmático” por alguns analistas, talvez estejamos visualizando a abertura de um precedente para sua continuidade no governo – aspecto que não representa, de fato, uma boa prática ao sistema político sul-americano, favorecendo a permanência no poder por tempo indeterminado.

Entretanto, com resultados claros na redução da pobreza extrema durante seu governo, aliado a um alto crescimento econômico (na expressiva faixa de 5%), Evo abre caminho para seguir na liderança da Bolívia demonstrando-se estável no poder e protagonista de medidas alinhadas com as necessidades sociais. Apesar de o caminho ser longo, não se pode subestimar o potencial de crescimento da Bolívia, cuja administração pública certamente merece crédito pelas medidas adotadas até o momento.

No que se refere ao Brasil, principal parceiro comercial da Bolívia, laços “de confiança”, apesar de “distantes”, dão o tom da relação durante o governo de Dilma, que não chegou a visitar seu homônimo boliviano, além de ter vivenciado a crise com a “fuga” do ex-senador e opositor ao governo de Evo Roger Pinto. A situação desencadeou a mudança do nome do chanceler brasileiro, porém o solicitante de refúgio no Brasil ainda é esperado em sua terra para julgamento pelo governo…

Se eleições normalmente nos remetem a momentos de inflexão e mudança, na Bolívia o clima é, todavia, de continuidade. Avaliação positiva em alguns aspectos, negativa em outros, somente o que se pode afirmar com segurança é que lá vai o Evo… até onde, será?


Categorias: Américas, Polêmica, Política e Política Externa