Sincronizando Babel…

Por

Apesar de quase dois meses da vigência no Brasil da reforma ortográfica da língua portuguesa, que tenta unificar a escrita dos 8 países lusófonos desde 1990, o assunto ainda apresenta pontos que dão pano pra manga. Sumiram o trema, alguns acentos, hífens, e restou um número hiperbólico de livros desatualizados nas estantes. Além dos altos custos da reforma (estima-se que revisar um livro no Brasil custe cerca de 5 mil reais), o acordo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) prevê uma série de formas facultativas (prêmio/prémio, acadêmico/acadêmico; aritmética/arimética, súdito/súbdito). Ou seja, um livro editado do Brasil não atravessará o Atlântico, e vice-versa.


Portugal, extremamente relutante em aceitar a reforma por acreditar que ela serve aos propósitos geopolíticos brasileiros, finalmente ratificou o acordo em julho de 2008. A pressão interna contrária à reforma, contudo, ainda é muito intensa e conta com o apoio maciço dos editores lusitanos. Apesar de extremamente comemorada do lado de cá do oceano, a aquiescência portuguesa ainda levanta dúvidas: a lei que regulamenta a transição da antiga ortografia para a acordada ainda não aconteceu. Sabe-se também que um livro didático na terra de Camões deve durar ao menos 6 anos. Isso significa que a lei, se promulgada esse ano, deve entrar em vigor apenas em 2015.

Feita a trancos e barrancos, a reforma é custosa e pouco efetiva. Custosa pela necessidade da reedição de várias obras, treinamento de professores e livros subitamente obsoletos. Pouco efetiva porque, além da dupla escrita de várias palavras, a unidade ortográfica não garante o entendimento entre lusófonos por não englobar alterações sintáticas e léxicas. O argumento de tornar o português numa língua-potência, transformando-o, por exemplo, em idioma de trabalho da ONU é igualmente sofrível. O chinês tem diversos dialetos e, no entanto, só se fala na importância de dominar o mandarim em nome da ascensão econômico/política pela qual o país passa. E quanto às variantes do inglês então? Por fim, Portugal vai mesmo efetivar a mudança? Os demais países africanos e Timor só devem concretizá-la caso a antiga metrópole o faça. Resta-nos torcer para que Portugal prossiga com as alterações, já que a reforma é uma realidade para os falantes brasileiros.

A propósito, fico contente que possamos usar a ortografia antiga até 2012…


Categorias: Brasil, Cultura


E agora, José?

Por

Temos visto recentemente o imbróglio em que se meteu o Brasil por causa do tal do Batisti. Só pra recordar, o ministro Tarso Genro deu refúgio político a este senhor, condenado por quatro homícidios pela Itália.

Não vou entrar no mérito da decisão do ministro, isso é outra discussão. Acontece que o Brasil tomou uma decisão polêmica e, por mais que o governo queira voltar atrás, agora vai ficar feio. Depois de tanta ladainha, se o governo ou o ministro se retratarem, a comunidade internacional vai ficar com a impressão de que é só apertar que o Brasil espana, e isso não é bom.

Agora cabe ao STF decidir o caso, já que o STJ, hoje, negou o mandado de segurança que a Itália pediu. Mas a coisa não é tão simples assim. Aos partidários de Batisti, a situação é boa.

Por mais que a decisão do ministro tenha sido errada, ele está amparado pela Lei. Ele tem a prerrogrativa de dar status de refugiado a quem ele achar que deve, mesmo que o parecer técnico da comissão de refugiados diga o contrário (no caso foi isso mesmo que aconteceu). Portanto, não há inconstitucionalidade nenhuma na medida do ministro e o STF, guardião da constituição, só poderia anular a medida caso ela não estivesse seguindo as regras da Carta Magna.

Mas, para os que querem que o Batisti volte pra Itália porque já temos bandidos demais por aqui, temos notícias boas também. Como a gente sabe, em matéria de Direito (feliz ou infelizmente), sempre se dá um jeitinho. E três dos ministros do supremo já sinalizaram a possibilidade de declarar inconstitucional não a obra do ministro Tarso, mas a lei de refugiados, ou então a prerrogativa do ministro de fazer o que quiser.

Com certeza, há muito mais correndo nos bastidores do que nós estamos vendo ou sequer vamos ver.

E, já que para o executivo, mesmo que se queira, voltar atrás fica feio, que o judiciário se vire com a Itália, não é mesmo?


Categorias: Brasil, Europa


Cuspindo no prato que come…

Por

[Este post manifesta minha opinião (Alcir Candido, já que este blog tem outros autores). Ou seja, sinta-se a vontade para comentar diretamente a este respeito…]

Nada melhor do que um post bem polêmico para se começar um blog, certo?

Certíssimo! Pois bem. O presidente do Brasil, recentemente, conversando com o primeiro ministro da Índia, disse que não mais quer comer a sobremesa dos ricos, numa referência à próxima reunião do G8 e à falta de influência do Brasil nas decisões do grupo.


O ministro Celso Amorim, por sua vez, disse que só aceitará o convite do Japão, que organizará o evento, caso as exigências do Brasil sejam aceitas: “Já dissemos a nossa condição para participar”.

Detalhe. O convite do Japão ainda não saiu, sendo que não passa ainda de uma cogitação.

As condições das quais se referia o ministro Amorim estão relacionadas às mudanças na distribuição do poder global pelas quais tem passado o mundo desde a crise. O Brasil quer que esta ‘nova’ distribuição de poder seja levada em conta nas decisões do G8. Segundo os estrategistas do Itamaraty, os países emergentes têm mostrado nesta crise sua força e, por isso, devem ser levados em conta nas decisões das grandes potências.

Bom, agora vamos às impressões gerais:

Ora, o Brasil não é membro do G8, seria apenas um convidado. Portanto, porque quer ter influência nas decisões do grupo? Aliás, o Brasil e outros quatro emergentes têm sido convidados há pouco tempo para pequenas partes da cúpula, antes mesmo da crise.

Além disso, o Brasil tem sistematicamente levantado o topete para os países mais ricos. Isto tem feito parte de uma estratégia de cooperação chamada sul-sul. Ou seja, entre os países subdesenvolvidos.

Não se trata aqui de se entrar no mérito de discutir se o pleito brasileiro quanto ao fato de que devem os países ricos levarem mais em consideração os emergentes é legítimo. Isto é óbvio.

O que é estranho é que o Brasil cospe no prato que come. Faz exigências em uma reunião em que nem se sabe ainda se é convidado e levanta o topete para os países que são seus maiores parceiros comerciais (com exceção da Argentina e do Mercosul). Além disso, o Brasil tem batido sucessivos recordes em investimentos diretos estrangeiros, cuja origem está nos países ricos. Independentemente do fato de que estamos sendo colonizados pelos capitalistas ou não, é indiscutível que esses e outros fatos relacionados aos países ricos tem contribuído para a estabilidade econômica inédita pela qual passa o Brasil. (Não podemos nos esquecer que os próprios emergentes também ajudaram, como as importações de commodities pela China, mas isso não justifica uma postura hostil frente aos outros)

Aliás, esta estabilidade é que justamente tem contribuído para que o Brasil faça parte dos tais emergentes e possa querer levantar o topete para os países ricos.

Agora vamos à parte do Brasil benevolente. Este mesmo que se deixa bater pela Bolívia, pela Argentina, pelo Equador e agora também pelo Paraguai. O que o Brasil conseguiu desde que começou a querer formar (e a liderar, como se não bastasse) a ‘liga da justiça do sul’?

Bom, em primeiro lugar conseguiu reforçar ainda mais a fama de imperialista junto aos seus vizinhos. Conseguiu também perder todos os cargos em organizações internacionais que disputou (Tem perdido porque os vizinhos do sul não votam em nós, diga-se de passagem), conseguiu comprar gás mais caro da Bolívia, conseguiu arrumar picuinhas na OMC na rodada Doha e agora também vai pagar mais caro ao Paraguai pela energia comprada, fora o que uma tal construtora brasileira ganhou”’ no Equador…

Recentemente, em Brasília, após fracassar em uma negociação comercial com a Argentina (novamente) Amorim disse que os argentinos estavam certos em não aceitar a proposta brasileira e que, se ele fosse argentino, também não aceitaria… sem comentários…

E no que isso nos afeta? Em muito. É só falar que agora estamos gastando dinheiro que poderia ser investido em saúde pra comprar gás mais caro da Bolívia. Ou então, o tanto de dinheiro que deixou de ser gerado no comércio de serviços de construção civil no Equador. E tem muito mais que todos certamente se lembram.

Porque, então, não adotar uma postura cooperativa TAMBÉM com os países ricos? Não é preciso esfolar os vizinhos, mas ser capacho é demais. O que o Brasil tem ganhado com isso tudo? Ninguém sabe. E, mais uma vez, cuspimos no prato em que comemos (mesmo que só na sobremesa).


Categorias: Ásia e Oceania, Brasil, Política e Política Externa