As Olimpíadas do Mercosul

Por

Em tempos de Olimpíada, os temas da hora são os esportes. Competições entre os países em diversas modalidades para ver quais são os melhores do mundo. Ao final, o quadro de medalhas ainda nos mostra quais são os de maior destaque. Entretenimento certo. Enquanto isso, ofuscado pelo grande evento esportivo, algo importante para a América do Sul acontecia em Brasília ontem e hoje. Difícil comparar com as regras, organização e diversão que as Olimpíadas proporcionam, mas, o evento foi resultado de uma competição certa e os países envolvidos já pensavam em um quadro de medalhas futuro. 

Em Brasília, a sensação do governo brasileiro, uruguaio e argentino é de pódio. A entrada da Venezuela no Mercosul, formalizada pelo encontro oficial dos presidentes hoje representou uma vitória diplomática para os países. Fora da celebração, o Paraguai, único que se opunha à proposta, excluído das decisões políticas do bloco, observava de fora as comemorações e a festinha particular desses países. Agora e o quadro de medalhas? Teremos alterações de benefícios para esses países ou será que essa vitória não altera muito a situação de nossos competidores? 

Antes de qualquer coisa, comecemos pelos números, os “ouros” dessa olimpíada mercosulina. O PIB do bloco crescerá em 316 bilhões, abre-se um mercado de 400 milhões de pessoas e o Mercosul poderá afetar a geopolítica internacional do petróleo, concentrando a maior parte do petróleo sul-americano. A tarifa externa do país já é de 12,5%, muito próxima da Tarifa Externa Comum (TEC) do bloco, 11%. Poucos ajustes já vão bastar para isso. Além do mais, a necessidade de exportação de 70% de seus alimentos, é mais um bom negócio para os países do bloco. A Venezuela é um bom mercado e pode trazer mais “ouros” para o bloco. 

A incerteza de medalhas não vem dos números. Provém do contexto, do Mercosul e do país. Primeiro precisamos lembrar que a entrada da Venezuela foi uma grande malandragem. Bastou o único que se opunha ser afastado das decisões políticas para que se avançasse nesse assunto espinhoso. Ou seja, foi consenso, dentro dos que estavam aptos a decidir, mas não entre todos os membros fundadores do bloco. E quando o Paraguai voltar a se tornar membro efetivo, o que vai acontecer com a relação com a Venezuela? 

O outro detalhe é interno ao bloco e à Venezuela. Os tais protecionismos excessivos. Dentro, o tom de amizade política tem convivido com o de rivalidade econômica. Principalmente quando o tema é Argentina. Bloqueios, restrições, taxas, taxas e mais taxas entre os companheiros de bloco. Na maioria das vezes, quando compete com as indústrias nacionais em economias problemáticas, o Mercosul fica em segundo plano. Agora, se olharmos a situação econômica venezuelana, ela não é das melhores. Instabilidade política e uma economia muito dependente de importações. Se a entrada de produtos do Mercosul quebrar muitas indústrias nacionais, a situação de instabilidade política interna do país não oferece garantias de que não sairá ampliando barreiras, principalmente se o bloco oferece um histórico de certa tolerância econômica para efeitos políticos. A última dúvida viria da personalidade de Chávez. Onde quer que ele vá, surge polêmica. Polêmicas que podem dificultar as negociações dentro do bloco e até mesmo influenciar as negociações externas, mas que podem servir de ensaio geral para a Unasul ou para um Mercosul mais ampliado ainda. 

Nessa competição sul-americana, o quadro de medalhas ainda é um pouco incerto. Os “ouros” de curto prazo não dão certeza sobre os “ouros” do futuro. Mas a decisão e a malandragem de incluir a Venezuela é com certeza muito mais um cálculo político do que econômico. Tentar trabalhar para fortalecer a América do Sul devagar, passando pelos países com mais benefícios econômicos, é um objetivo justo. Entretanto, enquanto os jogadores dessa competição continuarem a disputar entre si, nem mesmo a primeira vitória vai ser tão certeira assim.

[Para mais artigos sobre isso, clique aqui, aqui e aqui]


Categorias: Américas, Organizações Internacionais


1 comments
Militcha
Militcha

Parabéns pela análise, principalmente a conclusão. O processo de integração da América Latina deve, de fato, ter algumas cautelas, pautando-se no fracasso da Alalc e nas próprias dificuldades regionais, no que tange a transportes e o espírito de competição e desconfiança entre os países da região.Gostei do enfoque nos dados.