As culturas evoluem!

Por

Primeiramente, gostaria de reiterar os agradecimentos do Alcir e também parabenizá-lo, caro leitor, visto que foi essa parceria de sucesso que colocou a Pagina Internacional entre os 100 blogs mais votados no concurso Top Blog.

Gostaria de retomar um assunto que abordamos semana passada e que, embora não seja um tema estritamente de Relações Internacionais está sob o guardachuvas dessa disciplina. Estou falando as diferentes culturas que existem, e que direta ou indiretamente, muitas vezes são determinantes no estabelecimento de relações entre países.

Lendo a Folha de São Paulo hoje (sem querer fazer propaganda…), na seção de notícias internacionais, deparei-me com uma matéria sobre o novo modo de jovens afegãos e paquistaneses “paquerarem”. Acredito que seja de conhecimento geral, que esses países possuem tradições rígidas no que diz respeito a namoros, virgindade, sexo, casamento. Pois é.

Os jovens desses países, muito criativamente, e com a ajuda da tecnologia, até pouco tempo impensada na região (os celulares chegaram por essas bandas somente em 2006), estão “inovando” o modo de se conhecerem e namorarem.

A troca de torpedos via celeular é a mais nova forma de marcar encontros e enviar juras de amor. Por meio de tal conduta, tem sido possível diblar os olhares vigilantes dos pais e se arriscar em aventuras amorosas. Os jovens estão rompendo com os laços opressivos de sua própria cultura.

Penso que essa é uma prova inegável de que as culturas evoluem de uma forma ou de outra. Seja porque percebe-se que seus valores não têm mais lugar em um mundo em constante mutação, seja porque há o desejo de viver melhor e usufruir dos avanços desse mundo.

Mas, para que essa evolução cultural ocorra de forma legítima, ela tem que encontrar motivações intrínsecas. Imposições culturais são necessariamente contra ao que o mundo ocidental entende como democracia, cujo principal valor é a liberdade. Tais imposições são uma contradição em termos.

Hoje o post para reflexão é curto, afinal é sábado. E ficar pensando nas mazelas ou virtudes desse mundo louco no fim de semana ninguém merece.

Até a próxima!


Categorias: Cultura, Política e Política Externa


0 comments