Armados de força

Por

Forças Armadas, para que? Essa é uma pergunta clássica em países como o Brasil, locais no qual se tem baixa percepção de ameaças externas. Onde, para o povo, os maiores inimigos são problemas de natureza social e a guerra apenas figuraria como pesadelos distantes de gente louca. 

Independente da importância dada a essa instituição, a sua organização burocrática e seu poder diante da ordem política de um país não devem ser desmerecidos. E ainda mais no Estado Moderno. Durante os últimos 100 anos temos visto repetidas vezes o papel central do exército na dissolução de governos e na tomada da direção do Estado. Desde as ditaduras nacionalistas europeias da Alemanha, da Itália e mais atualmente da Espanha, até os diversos golpes ocorridos na América Latina, há uma imensa quantidade de exemplos possíveis. 

As Forças Armadas normalmente agem nesses casos para garantir a ordem durante momentos de instabilidade e fraqueza dos governos, ou pelo menos se utilizam dessa retórica. O que se viu no Egito nos últimos anos não foi diferente. No país em que se deu de maneira mais emblemática a Primavera Árabe, agora depois de pouco mais de dois anos da queda do ditador Mubarak pela revolta popular e com apoio do exército, ambas as forças voltaram a unir suas vontades na derrubada de um governante, agora o presidente eleito Mohamed Mursi. 

A crise econômica e acusações de todos os tipos contra o presidente, desde fraudes em sua eleição à corrupção e traição da vontade do povo. São muitos os motivos que levaram milhões de pessoas às ruas e a famosa praça Tahir, já histórica pelas multidões que a ocuparam. Os protestos coincidiram com o ultimato dado pelo exército para a sua renúncia, recebido por Mursi como tentativa de golpe e levando-o a convocar por meio de um discurso na TV a população favorável a sua continuidade a defendê-lo. Nada disso adiantou e venceu a vontade do exército e das multidões em marcha. 

Mas nem sempre população e Forças Armadas falaram a mesma língua durante o processo político atual do Egito. O atraso na convocação de novas eleições meses após a queda de Mubarak levou a população para as ruas em 2012, naquele momento contrária ao exército que se estendia demais no poder. Mesmo sofrendo forte pressão, as Forças Armadas seguiram à frente até as eleições que levaram Mursi à presidência, muito tempo após a queda do ex-ditador. Considerado candidato do exército, a sua eleição foi até mesmo acusada de fraudulenta, um golpe na época da própria instituição que agora o depõe. 

As reviravoltas e conflitos no Egito só demonstram a incompreensão dada pela complexidade do cenário político. O alcance do poder dos islamitas foi outro episodio que demonstra a quantidade e diversidade de grupos lutando pelo poder. O próprio exército, em sua primeira tomada do controle do Estado, garantiu que o Parlamento e a Constituição que supostamente dava vantagens aos islamitas fossem dissolvidos, declarando-os ilegais. A vitória de Mursi, ironicamente um islamita, também foi garantida pelo próprio apoio do exército a sua candidatura. Em um ambiente em que todos são inimigos lutando pelo controle do Estado, fica difícil até mesmo a tarefa de reconhecer quem está ao lado de quem, quanto mais que aja qualquer tipo de coalizão capaz de estabilizar o governo do país. 

A queda de Mursi coloca o Egito no mesmo cenário de incertezas de sempre, em um país que vive o clima das manifestações por um tempo já suficiente para gerar desconforto. Parece uma luta duradoura por algo ainda não muito claro e menos ainda próximo. Fala-se em 17 milhões de pessoas nas ruas nas últimas semanas, o maior protesto da história da humanidade. Mas o futuro do egípcios ao voltarem para casa parece ainda bastante obscuro. As forças armadas já demonstraram há um ano atrás que não são capazes de satisfazer o clamor das ruas governando o país por um período duradouro. Na verdade, isso se deve a total falta de entrosamento e de uma homogeneidade que garanta estabilidade entre a vontade dos grupos de poder e da própria instituição. 

O Egito continua sendo local de diversos conflitos de interesses, um balaio de gatos entre grupos não acostumados com a democracia, que surgem lutando pelo controle do Estado após a queda de um ditador que governou o país durante décadas, com forte apoio interno e externo. 

A questão agora é compreender qual será o papel das Forças Armadas nos próximos passos da política do Egito. Fica claro que o seu papel de restauradora da ordem e da estabilidade aparece de maneira incisiva, como é bastante comum em países sem grande tradição democrática. Resta saber quanto esse poder se estenderá, qual será a influência do seu apoio a futuros presidentes e o seu papel na estabilidade de seus governos. Os próximos movimentos dos grupos que lutam pelo poder, do exército e da população serão decisivos para a construção do novo sistema político construído desde a Primavera Árabe e ainda pouco definido.


[Texto do colaborador Victor Uchôa]


Categorias: Defesa, Oriente Médio e Mundo Islâmico, Paz, Polêmica, Política e Política Externa, Segurança


0 comments