Antes tarde do que nunca

Por

Os ditados não existem atoa. Ninguém fica repetindo uma frase feita a vida toda se ela não fizer algum sentido. E parece que nosso governo resolveu dar vida ao “antes tarde do que nunca”.

O causo é simples. Já foi tema de inúmeras postagens neste blog as malandragens que os nossos vizinhos argentinos fazem conosco em matéria de comércio exterior. (Veja aqui a última delas). Agora parece que o nosso governo resolveu fazer alguma coisa.

Foi publicada hoje nos principais jornais a intenção do governo de retaliar a Argentina por conta das inúmeras barreiras comerciais que estão sendo levantas contra o Brasil. Por lá já aumentaram a perder de vistas as tarifas de importação de grande parte de nossa pauta de exportação, principalmente os têxteis.

O problema é que até pra retaliar estamos com problemas. Deve ser divulgado ainda hoje um relatório da OMC, por exemplo, que cita as medidas protecionistas tomadas pelo Brasil (e olha que não foram muitas!). Além disso, o país tem criticado o mundo afora pela proteção dada aos seus mercados. E assim como já aconteceu quando se tentou tirar do caixão as defuntas licenças prévias de importação, o governo vai ter problemas ao tomar qualquer medida.

Só que não há muito o que se fazer. O Tratado da OMC tem uma tal de Cláusula da Nação Mais Favorecida. Em poucas palavras, não se pode dar a um país tratamento diferente dos demais. Ou seja, não pode haver uma nação mais favorecida no comércio de quem é membro da OMC, as regras e tarifas têm de ser iguais para todos (a menos em caso de acordos comerciais).

Nesse caso, não resta saída ao governo que não tentar as licenças prévias de novo… Acontece que, para cumprir as regras do comércio mundial, elas afetam todos os países, não só Argentina. Só que os brasileiros são os reis da gambiarra! E pra isso já tem um jeitinho pronto: qualquer país vai ter as licenças autorizadas na hora. A Argentina não.

Não há nada que proiba isso. Só que tem um peso político nessa decisão toda. A Argentina já há muito tempo pratica o protecionismo em tempos de crise e não tem a importância que o Brasil tem no mundo hoje. Então, para eles, adotar a medida é menos ‘feio’ que para o Itamaraty, que ainda roda o mundo criticando todos.

E ficará para o dia 14 de Julho a decisão final. E ainda fomos até demais benevolentes esperando as eleições parlamentares por lá passarem antes de anunciar qualquer intenção de mudar as coisas. Mais uma vez é aguardar. Mas só a mudança do discurso de sujeição do Brasil já é um avanço.



Categorias: Américas, Brasil


2 comments
Alcir Candido
Alcir Candido

Pois é, Teilor.Não devemos esfolar os outros, só que o que se faz é absurdo. E o Brasil, por diversas razões, nunca faz nada.Duvido que o governo vá aplicar algo contra a Argentina. Mas só a ameaça e a mudança de atitude já dá o recado e é um grande passo,até mais!

Teilor
Teilor

Já estava na hora de se tomar uma medida a favor do Brasil. Mas não basta a Argentina, tem muitos outros países da América do Sul se valendo da sua 'pequenez' para impor medidas protecionistas que prejudicam diretamente o Brasil.