Afronta aos bons costumes internacionais

Por

A Coreia do Norte atacou de novo. Não, não houve nenhum ataque a um território concreto. Já basta a Guerra da Coreia que jamais teve um fim oficial decretado. O que houve foi outro claro atentado à moral e aos bons costumes das relações internacionais. Uma provocação à ordem estabelecida, à liderança dos Estados Unidos e, consequentemente, ao regime de não-proliferação nuclear. 

Ontem o país anunciou que fará outro teste nuclear em breve e defendeu que continuará com o lançamento de foguetes e mísseis de longo alcance. A declaração publicada pela agência estatal KCNA não veio do nada. Coincidência ou não, ocorreu dois dias após a resolução do Conselho de Segurança sobre novas sanções econômicas contra o país, no último dia 22. A resolução foi referente ao bafafá de 12 de dezembro do ano passado, quando a Coreia do Norte fez um teste de lançamento de foguete apontado pela Coreia do Sul e pelos Estados Unidos como um míssil balístico disfarçado, e não um meio de colocar satélites em órbita. 

E tão cedo quanto as declarações foram proferidas, seus efeitos já foram sentidos. Os Estados Unidos reagiram. Medo e disposição foram as palavras mais ouvidas. Medo das ogivas nucleares e de testes de mísseis balísticos bem sucedidos; pois, como já anunciou Kim-Jong-un, o Tio Sam seria o alvo principal. Disposição em agir com todas as medidas cabíveis. Nem mesmo uma invasão foi descartada. 

Isso nos faz pensar. Refletir que no mundo atual é muito difícil bater de frente com uma superpotência militar como os Estados Unidos, apoiada no sistema ONU. Por mais injusto que o regime de não-proliferação nuclear seja (pois o TNP garante que os países que já tem a bomba não precisem se livrar dela, enquanto que os que jamais tiveram não podem tê-la) aqueles que não aderiram a ele sofrem pressões constantes da ONU. Para conseguir afrontar essa superpotência, nem que seja com uns latidos um pouco mais altos, parece que se precisa de alguns pré-requisitos. Ter uma capacidade militar capaz de assustar o Tio Sam e sua trupe, ou seja, uma bomba nuclear e/ou armas químico-biológicas. Ser um regime fechado e isolado politicamente o suficiente para não se deixar influenciar demais por sanções do Conselho de Segurança e de órgãos regionais. 

A Coreia do Norte possui ambas as características. Acima de tudo, o governo norte-coreano fez questão de concentrar todas as forças em ameaçar diretamente os Estados Unidos. Uma situação intrigante, que remonta um pouco o caso do programa nuclear do Irã. Sanções econômicas no geral surtem pouco efeito. O isolamento político do país permite certa blindagem contra elas. A menos que toquem no calcanhar de Aquiles do país, no caso, o fornecimento de alimentos. 

Mas qual o objetivo internacional principal dessa política externa caótica? É difícil dizer. Minha aposta ainda é a do início do texto. Afrontar a falsa moral e os bons costumes internacionais, a ordem injusta estabelecida. Para tanto, o país buscaria afetar a balança de poder militar da Ásia e no mundo, tornando-se outro no seleto grupo de países com ampla capacidade nuclear e de mísseis balísticos. Agora se o país está perto ou não e se é apenas um cachorro que late demais e não morde é outro ponto complicado. Na dúvida, os EUA se preparam.


Categorias: Américas, Ásia e Oceania, Defesa, Paz, Política e Política Externa, Segurança


0 comments