A volta do que não foi

Por

Tá vendo? Não, Zelaya, seu governo tá longe…

Ele não ia voltar sozinho. A Cristina da Argentina, o Rafa Correa do Equador, e até o secretário geral da OEA, Miguel Insulza, entre outras ilustres figuras internacionais.

E eis que veio dos céus, em seu avião. Sozinho, diga-se de passagem, mas voltou. Ou pelo menos tentou. Encontrou o exército golpista todo armado no aeroporto e deu meia volta. Melhor não abusar, não é mesmo?

Foi a volta do que não foi.

1. Não foi porque ainda é o presidente legítimo. Pelo menos segundo toda a comunidade internacional. Só esqueceram de contar isso pros golpistas, liderados pelo presidente (?) Roberto Micheletti.

2. E voltou mesmo. Só que pra El Salvador, onde foi acolhido. E voltou de onde não foi: Honduras, porque nem mesmo chegou a pousar seu aviãozinho.

Aliás, o Zelaya está totalmente perdido. De país em país. De organização internacional em organização intenacional.

Eu estava querendo saber qual seria o resultado da combinação pressão internacional + pressão popular. Depois de uns dias, já dá pra tecer alguns comentários.

Em primeiro lugar, foi até engraçada a postura do país diante da OEA. Eles simplesmente saíram da organização. Por aí já se vê a importância que tem a OEA hoje. A defesa da democracia e o lero lero todo não passa disso mesmo. E agora a única punição que podia ser dada não é mais possível. Ou vão expulsar o que já saiu?

E a companhia do Zelaya na volta? Cristina, Correa, Insulza que nada. Com amigos daquele tipo ele nem precisa do Micheletti. O coitado voltou sozinho! Os outros ficaram em El Salvador esperando ele se lascar ou voltar. O que eles queriam mesmo era fazer pressão. E não conseguiram. Agora está cada um em seu país. Menos o Zelaya.

Agora, quero ver como eles vão ficar sem petróleo (o Chávez parou de mandar), sem empréstimos de organismos internacionais, sem ajuda dos EUA, sem ajuda da União Européia… Aí não tem jeito. Eles vão acabar sentindo de alguma forma. Esperar pra ver.

Pressão popular. Difícil obter informações confiáveis… O que eu sei é que o governo empossado colocou seus partidários na rua e protestos têm ocorrido dos dois lados.

E agora, Zelaya?


Categorias: Américas, Polêmica, Política e Política Externa


1 comments
Leo.
Leo.

Pois é, é fácil pegar um país pobre e forçar o mesmo a respeitar democracia, inda mais quando o golpe é dado pelos militares ou/e elites (que afinal são maus), mas quando o país é grande e poderoso todo mundo baixa a crista.Viva o pragmatismo travestido de ideologia. Cadê os embargos a Cuba? ao Irã? ao Sudão? a Líbia? a China? a Coréia do Norte? Pq não deixar a população de lá morrer a míngua num cerco medieval tb? Por que obviamente estes países são interessantes comercialmente e mais importante são de "esquerda" são do "povo" lutam/lutaram contra as "elites" e o "poder do norte"...