A Argentina e seus mistérios

Por

A Argentina é um país com muita história pra contar. O nosso vizinho platino está em voga na mídia nas últimas semanas, por conta do torneio de futebol continental que lá acontece. E, além do fato do melhor jogador do mundo não conseguir render na sua seleção nacional como faz em seu clube na Espanha, existem muitos mistérios rondando aquelas bandas…

Hoje, 18 de julho, faz 14 anos que houve o ataque à AMIA (Associação Mutual Israelita Argentina), o maior atentado da história da América Latina, com mais de 80 mortos, e até hoje sem solução (veja um artigo interessante sobre o tema aqui). Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque (o que é atípico), ninguém foi preso, não se sabe nem qual foi o explosivo (e como foi) usado no ataque. As especulações sobre a motivação do ataque vão de vingança política contra o presidente Menem ao bom e velho terrorismo fundamentalista islâmico contra uma das maiores (e mais vulneráveis) comunidades judaicas do mundo. Trata-se de um assunto que nunca caiu no esquecimento, mas a falta de provas e falhas na investigação o condenam a ser para sempre uma fonte de teorias conspiratórias.

Por outro lado, nesse fim de semana houve uma revelação que acabou com outro mistério: exames de DNA mostraram que os herdeiros do maior jornal da Argentina não são filhos de desaparecidos políticos. A Argentina pode ter tido uma das ditaduras mais truculentas da América do Sul, com seu score de mortos e desaparecidos na casa das dezenas de milhares (só pra comparar, no caso do Brasil, por mais controversos que sejam os números, não se chega na casa dos 500), mas não eram malvados o suficiente pra matar criancinhas. O que ocorria muitas vezes com filhos de mulheres presas ou mortas em centros de detenção clandestinos era o envio para famílias simpáticas ao regime – mais de 104 crianças foram identificadas nessa situação até hoje. Com essa revelação, cai por terra mais uma teoria da conspiração que ligaria o grupo midiático mais poderoso do país a interesses políticos – e atualmente em uma rixa com Cristina Kirchner.

Não sei se o ataque à AMIA vai ter explicação, algum dia. Mas, em um país com um invejável senso de investigação e participação política, onde a justiça mandou a anistia catar coquinho e quase todos os ex-ditadores pararam na cadeia, não é surpresa que cada vez mais possamos ter esse tipo de mistério revelado.


Categorias: Américas, Assistência Humanitária, Direitos Humanos, Mídia, Polêmica


0 comments