A Águia e o Dragão

Por

Dalai-Obama


O que uma grande potência mundial deve fazer frente a crescente influência de um outro país, a ponto de alterar o seu cálculo no momento da tomada de decisão? Essa não é uma pergunta fácil. Mesmo os Estados Unidos que se encontram envoltos nesse problema, não conseguiram trazer uma resposta muito satisfatória. Constantemente, vemos os EUA subestimar a influência chinesa, e literalmente brincar com seus humores.


O exemplo mais atual dessas extripolias foi a reunião do presidente estadunidense, Barack Obama, com o líder espiritual do Tibete, o Dalai-Lama. A China considera o ícone como um terrorista e separatista, e nem é preciso dizer o quanto essa visita inspirou insatisfação da parte chinesa.


Do outro lado, temos a China bloqueando a possibilidade de uma quarta rodada de sanções das Nações Unidas contra o programa nuclear do Irã. Apesar do fechamento do cerco contra o governo iraniano, com até mesmo aliados históricos do país, como Rússia e Itália, ficando com um pé atrás frente a esse desenrolar de eventos, o governo chinês ainda mantém sua oposição forte.


É claro que há interesses econômicos chineses por trás, com todo o prejuízo que uma sanção causaria depois dos mais de 30 bilhões de dólares investidos no setor petroléfero iraniano, aliados aos investimentos que ainda estão por vir. Mas o ponto que faço aqui vai além da questão econômica, refere-se à capacidade de ver novas influências e novas potências no mundo atual.


Um exemplo que talvez deixe tudo mais claro. Assim como a China, o Brasil se colocou contra novas sançsões, mas sendo ele apenas um membro rotativo do Conselho de Segurança não tem outra opção a não ser abarcar novas medidas. Todavia, com os chineses a história é outra, são membros permanentes do Conselho. E parece que os Estados Unidos ainda não vêem isso muito claramente, e continuam a agir de como se nada tivesse se alterado, num cenário em que deveriam estar buscando o apoio do grande dragão do oriente se as sanções lhes são tão importantes.


Categorias: Ásia e Oceania, Defesa, Estados Unidos, Oriente Médio e Mundo Islâmico, Paz, Política e Política Externa, Segurança


0 comments