Apreensão e luto antecipado

Por

Drama queda avião
Desastres aéreos sensibilizam e repercutem internacionalmente de forma ampla, dada a quantidade de vítimas fatais, a incerteza sobre as causas desses desastres e o impacto no dia-a-dia de milhões de pessoas que dependem do transporte aéreo. Elementos que não se comparam ao drama vivido pelos familiares e amigos enquanto permanecem as incertezas sobre um caso assim…

Há quase 48 horas, o desaparecimento de um avião com 239 pessoas a bordo na Ásia aflige centenas de familiares dos passageiros – principalmente chineses, causando apreensão e um triste sentimento de luto antecipado no mundo inteiro.

O mistério envolvendo o desaparecimento do avião na rota Malásia-China persiste, já que foram encontradas manchas de óleo no oceano, mas ainda nenhum resquício de destroços do avião pôde confirmar as hipóteses. Em momento assim, mesmo a hipótese de terrorismo está sendo cogitada, já que aparentemente dois passageiros do voo embarcaram (!) com passaportes roubados, o que torna a situação ainda mais complexa.

Pensar que um avião de uma das maiores companhias aéreas asiáticas possa simplesmente sumir da rota em pleno ano de 2014 parece cena de filme hollywoodiano, mas, de fato, reflete um acontecimento real que, se confirmado, pode configurar-se no pior desastre aéreo do mundo na última década. Fica o registro de apoio do blog neste momento, bem como a expectativa de que o mistério se esclareça pela paz de todos os envolvidos.


Categorias: Ásia e Oceania, Post Especial


Há um ano...

Por

Calendário
Neste Dia Internacional da Mulher, felicitamos todas as nossas leitoras e relembramos os principais assuntos discutidos no blog há um ano!

Em clima comemorativo, o post do ano passado intitulado “Mulheres do mundo” apresentou uma interessante reflexão sobre a data e sobre o empoderamento feminino, valendo a pena a releitura de um tema que não deixa de ser atual.

Tínhamos ainda posts do então leitor, hoje colaborador, Victor Uchôa, trazendo à tona vários temas, dentre os quais a Copa do Mundo no Brasil. A pouco menos de 100 dias para o início da Copa, toda a polêmica sobre o (des)cumprimento dos prazos, os gastos públicos exacerbados e a falta de investimentos de longo prazo em infraestrutura e mobilidade urbana refletem a realidade de um país que, como mencionado no post há um ano, pode até realizar satisfatoriamente um evento deste porte, porém não garante a melhora na vida dos cidadãos fora dos estádios…

Também o leitor Diego Antonio Perini Milão contribui com um post do leitor envolvendo futebol e política, mais especificamente em uma análise sobre a polêmica com os torcedores corinthianos na Bolívia em termos de soberania nacional: vale a pena rever sua argumentação. Há algumas semanas, o Corinthians venceu a ação frente à Confederação Sul-americana de Futebol (CONMEBOL), encerrando o caso após um turbulento ano de debates judiciais.

Por fim, o tema mais relevante no cenário internacional há um ano foi, é claro, o falecimento de Hugo Chávez. E desde então a Venezuela não saiu dos holofotes. Com a morte de seu carismático e polêmico líder, o país se viu diante de uma situação nova, dividido perante os seguidores e contestadores da herança chavista em âmbito nacional. Com Nicolás Maduro seguindo o legado de Chávez no poder, o país tem sofrido duras consequências da crise econômica na prática, com a criminalidade, a altíssima inflação e a escassez de produtos básicos surpreendendo.

Estudantes e oposição nas ruas protestam desde fevereiro pela renúncia do presidente, sendo que a morte de vários manifestantes demonstra a gravidade da crise para o país e a região. Pela primeira vez, a Venezuela solicitou à UNASUL o envio de uma comissão de observação para contribuir à solução da crise – cujos contornos se mostram ainda bastante incertos.

Postando, relembrando e refletindo: este é o objetivo da nossa coluna “Há um ano…” na Página Internacional!


Categorias: Américas, Brasil, Há um ano...


Conversando com a Teoria

Por

Anarquia ou soberania?

ucrania

Hoje retomaremos nossa coluna de análises teóricas com a finalidade de analisar a questão ucraniana, possivelmente a maior crise política do leste europeu desde a queda da URSS, sob a luz de dois conceitos fundamentais das Relações Internacionais.

Quem começa a estudar essa área, via de regra, se vê bombardeado por conceitos que são apresentados como base do funcionamento da vida internacional, e dois deles são essenciais – e complementares, de certo modo. Podemos dizer que a famosa anarquia do sistema internacional é um dos fatores para a existência da soberania dos Estados, e a soberania é uma causa direta dessa anarquia. Devemos lembrar que, por anarquia, não queremos significar uma baderna ou desordem, mas simplesmente a ausência de uma entidade superior que governe a ação dos Estados – de maneira análoga ao modo como os Estados agem internamente com relação aos seus indivíduos/cidadãos, por exemplo. Ninguém (teoricamente) manda nos Estados, a não ser eles mesmos. E isso por que eles são soberanos, ou seja, entidades políticas independentes que conseguem manter um grau de coesão interna e que não se sujeitem a vontades alheias. O fato de serem soberanos impede que os Estados busquem a formação desse “super-estado”, afinal, significaria perder poder e reduzir sua própria soberania.

Dito isso, devemos deixar bem claro que essa é a visão mais tradicionalista possível sobre o tema. Autores como Wendt modificam bastante o modo como se vêm essas questões (“a anarquia é o que os Estados fazem dela”). Já a questão da soberania é bastante questionada em alguns casos, como em Estados falidos e quando pensamos em dinâmicas de governança. Todavia, vamos nos focar por enquanto na tradição mais clássica desses termos, já que o exemplo ucraniano é bem didático, pensando em dois níveis distintos.

Consideremos, inicialmente, o fato de que a Ucrânia é um país dividido. A Crimeia, região que está no centro do problema hoje, foi incorporada à Ucrânia apenas nos anos 50, e historicamente sempre foi da Rússia. Com isso, muitos cidadãos e famílias são de origem russa. Na verdade, isso vale para quase todo o país, onde a língua de Tolstoi é falada por boa parte da população. É importante levarmos isso em consideração quando pensarmos na questão da soberania, pois ela está atrelada a um princípio bastante alardeado nos discursos mas pouco observado (ou respeitado) na prática, que é a auto-determinação. Significa que cada povo tem a capacidade e o direito de escolher o modo como vão se organizar, seu regime político, etc. Nesses termos, a derrubada do presidente Viktor Yanukovich teria sido algo aceitável – o povo ucraniano se fartou da corrupção e de sua proximidade com a Rússia e o defenestrou. Porém, há indícios de apoio estrangeiro aos manifestantes, ou seja, teria havido uma ingerência (e interferência na soberania ucraniana). Além do mais, dá pra dizer que é o desejo da Ucrânia como um todo se aproximar mais da União Europeia quando vemos o tamanho da população russa de lá?

Esse é o principal argumento do presidente russo Vladmir Putin ao mobilizar suas tropas para defender os interesses russos, seja de cidadãos no país vizinho, seja para tentar evitar uma instabilidade que causaria uma guerra civil de repercussões regionais tão negativas quanto, por exemplo, a do Iraque na década de 2000. Ao incrementar seus contingentes na Crimeia, Putin estaria meramente sendo um aliado do governo de direito, derrubado por uma conspiração internacional. É a visão completamente oposta de boa parte dos países europeus e dos EUA, que condenam essa atitude como intervenção e violação de soberania do povo ucraniano. E agora? Quem fica com a razão? No meio disso tudo, o parlamento da Crimeia aprova uma lei em que busca se anexar à Rússia e propõe um referendo para a população chancelar a escolha. Do ponto de vista da autodeterminação, é perfeito. Mas e a população não-russa? O governo interino desaprovou essa atitude. Está garantida a legitimidade? Quem vai dar a palavra final?

Aqui entra o problema da anarquia. Não existe uma razão, por que os fatores econômicos, políticos e sociais envolvidos são muitos. Putin ameaça uma invasão? Os países ocidentais ameaçam com sanções e outras represálias. Putin vai ceder? Ao que tudo indica, não. O ideal seria, imediatamente, evitar a escalada do conflito interno para evitar uma guerra civil, e a Rússia é um interlocutor fundamental com ambas as partes. O fiel da balança nesse caso é a Rússia – são as decisões de Moscou que vão decidir se a Crimeia sairá da Ucrânia, se poderá haver uma guerra civil por lá, e até mesmo se haverá desdobramentos para a Europa como um todo (no caso de realmente ocorrerem sanções mais duras contra a Rússia). E não há nada no sistema internacional que garanta algum resultado. Há constrangimentos, mas o governo russo (limitado apenas por sua capacidade de escolha soberana) pode decidir que os custos de um conflito ou atritos econômicos valham a pena por um projeto geopolítico ou simplesmente para garantir a segurança regional. Mesmo no mundo atual, com novas condições e problemas que nem eram sonhados durante a Guerra Fria, em questões de segurança ainda persistem visões e dinâmicas que decorrem do sistema anárquico de Estados, como atestam os casos da Síria (onde nenhum consenso está à vista) e agora da Ucrânia.


Categorias: Conversando com a Teoria


Esclarecimento – Dificuldades técnicas

Por

Em construção Caros leitores e leitoras,

Como muitos devem ter percebido, desde a última quarta-feira (26/02), a Página Internacional esteve fora do ar devido a dificuldades técnicas relacionadas à hospedagem do blog. Infelizmente, o problema com a empresa responsável afetou não apenas nosso blog, mas inúmeros sites que passaram os últimos dias em situação similar, com acesso impossibilitado. Desta forma, apenas no dia de hoje (05/03) estamos retomando nossas postagens normalmente.

Gostaríamos de nos desculpar pelo imprevisto, de modo que todas as medidas necessárias à normalização do acesso estão sendo tomadas. Neste processo, agradecemos a todos pela paciência e especialmente ao Fabricio Gava – colaborador honorário do blog – por todo o apoio técnico.

Atenciosamente,

Equipe Página Internacional


Categorias: Post Especial